Adalberto Campos Fernandes

Ministro da Saúde diz que ninguém terá bom SNS se país não estiver sólido nas contas públicas

O ministro da Saúde disse esta segunda-feira que não quer "iludir" ninguém e que um bom Serviço nacional de Saúde só é possível se o país estiver sólido nas contas públicas.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse esta segunda-feira que ninguém terá um bom Serviço Nacional de Saúde se o país não estiver sólido nas contas públicas e garantiu que o Governo não vai iludir os portugueses. “Nós não estamos aqui para vos iludir, ninguém terá um bom Serviço Nacional de Saúde, ninguém terá um bom sistema educativo, ninguém terá um bom sistema de pensões se o país não estiver sólido nas contas públicas, sólido naquilo que é o seu reconhecimento e reputação internacional”, declarou Adalberto Campos Fernandes, nas Cortes, em Leiria.

O governante falava após a inauguração pelo primeiro-ministro, António Costa, das novas instalações das unidades de saúde de Monte Real e Carvide e de Cortes, no concelho de Leiria. No discurso, o ministro, que considerou ter “talvez a pasta mais difícil de exercer no conjunto do Governo porque é aquele que mais toca com a frustração e a ansiedade de cada um dos portugueses”, criticou quem agora critica a política do Executivo.

“Portanto, aqueles que agora exultam e reclamam contra tudo e contra todos em nome de dificuldades que eles próprios criaram, que não se iludam que nós não cederemos naquilo que é a ilusão, porque a pior coisa que se pode fazer a quem mais precisa e pouco tem é iludir essas mesmas pessoas”, acrescentou. Antes, destacou que o país tem “pela frente 113 novos centros de saúde que estão neste momento a ser lançados e construídos”, classificando esta como “a maior renovação desde sempre da rede de cuidados de saúde primários”.

“Entrámos em 2015 no Governo com 87% dos portugueses com médico de família, estamos a aproximar dos 96%”, adiantou, reconhecendo que “ainda há portugueses que não têm médico de família”. Foi precisamente esta situação que motivou um protesto junto à Unidade de Saúde de Monte Real e Carvide, por cerca de uma dúzia de utentes do Centro de Saúde de Vieira de Leiria, no concelho vizinho da Marinha Grande, que empunhavam cartazes nos quais se lia “Basta de falsas promessas” e “Doentes devem ser tratados com humanidade e não postos na rua ao frio e à chuva”.

Já com o ministro a ouvir, que mal chegou se dirigiu aos protestantes, Alzira Marques, de 65 anos, queixou-se de não ter médico de família há perto de quatro anos. “Fica aqui a minha palavra de honra que nós vamos olhar para isso (…). Às vezes os concursos abrem-se e os médicos não há em quantidade”, disse o ministro, mas a utente ripostou: “Não acredito nisso. Estou farta de promessas”. Adalberto Campos Fernandes retorquiu: “Quer ou não quer acreditar que vamos resolver?”. A utente contrapôs: “Eu para acreditar tenho de ver”.

Face à insistência das queixas, o ministro da Saúde informou que, após as duas inaugurações, iria deslocar-se ao centro de saúde de Vieira de Leiria para se inteirar da situação. Aos jornalistas, o ministro da Saúde informou que o Governo não pode “resolver em dois anos processos que se arrastam, nalguns casos, há cinco, seis, sete anos”.

À pergunta sobre faltarem 18 médicos de família no concelho de Leiria, Adalberto Campos Fernandes apontou, novamente, os concursos: “Abrimos os concursos, infelizmente ou porque os médicos não são em quantidade ou porque não querem ficar nos locais, não é possível colocar”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)