Air France

Pilotos da Air France rejeitam proposta de 2% de aumento salarial

Os pilotos da Air France receberam uma proposta de aumento salarial de 2% para pararem com a greve, mas rejeitaram-na. Reivindicam aumento de 5,1% para 2018.

António Cotrim/LUSA

Os pilotos da companhia francesa Air France rejeitaram a proposta lançada na última noite pela direção para acabar com a greve, que inclui um aumento salarial imediato de 2%, com uma subida de até 5% em três anos.

O presidente do Sindicato Nacional de Pilotos de Linha (SNPL), Philippe Evain, representante do principal agrupamento sindical de pilotos da companhia, sublinhou na emissora France Inter que a referida oferta é “inaceitável”.

“A greve não só se vai manter, mas até corre o risco de endurecer”, indicou Evain, para quem é impossível fazer crer que esse futuro aumento vá compensar a subida da inflação no passado. A direção da companhia aérea sublinhou na passada noite num comunicado que a proposta deverá ser votada até às 12h00 de 20 de abril.

Os trabalhadores reclamavam inicialmente um aumento salarial de 6% para compensar a perda de poder de compra devido à inflação nos últimos anos e esta segunda-feira baixaram para 5,1% para 2018. Assim, os sindicatos mantiveram a greve deste dia, que obrigou a cancelar 30% do programa de voos e as convocadas para quarta-feira e nos próximos dias 23 e 24 de abril.

A companhia precisou num comunicado que prevê garantir 55% dos voos de longo curso e 65% dos voos europeus com saída ou chegada no aeroporto de Charles de Gaulle em Paris e 80% dos voos domésticos. A companhia não afasta anulamentos pontuais e possíveis atrasos de última hora.

Segundo as estimativas, 29,6% dos pilotos faz greve, juntamente com 20,4% do pessoal de cabine e 12,4% dos trabalhadores de terra. A mobilização dos sindicatos do pessoal começou em fevereiro impulsionada por este pedido de um aumento salarial de 6% para compensar a perda de poder de compra devido à inflação nos últimos anos. Segundo os cálculos da Air France a greve já custou à empresa cerca de 170 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

A agonia da esquerda brasileira

José Augusto Filho

O colapso do lulopetismo levará para o limbo boa parte do sistema político brasileiro, organizado a partir das posições de um PT que nas últimas décadas foi a principal força de esquerda no continente

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)