O papa Francisco afirmou que a ciência “tem limites a respeitar” para bem da própria humanidade e que nem tudo é “aceitável eticamente”, numa declaração durante uma audiência com especialistas em medicina regenerativa.

O papa recebeu este sábado os participantes numa conferência internacional sobre medicina regenerativa convocada no Vaticano.

Perante os especialistas, Francisco defendeu que a ciência é “um meio potente para compreender melhor a natureza e a saúde humana”.

Segundo o papa, a Igreja elogia todo o esforço de investigação e a sua aplicação para curar pessoas que sofrem, mas lembrou que um dos princípios fundamentais é que “nem tudo o que é tecnicamente possível é eticamente aceitável”.

“A ciência, como qualquer outra atividade humana, sabe que tem limites a respeitar para bem da própria humanidade e necessita de um sentido de responsabilidade ética”, afirmou, citado pelas agências de notícias internacionais.

O papa Francisco defendeu ainda a necessidade de basear os cuidados de saúde “na exigência de pensar em todos, especialmente em quem vive com problemas sociais e culturais que tornam mais precária a sua saúde e o seu acesso a tratamento”.