Papa Francisco

Papa Francisco pediu esforço comum e global contra a escravidão

Numa mensagem de vídeo enviada a um fórum sobre escravidão, o papa defendeu ainda que "ninguém pode ficar indiferente e, de algum modo, cúmplice deste crime contra a humanidade".

MASSIMO PERCOSSI/EPA

O papa Francisco pediu esta segunda-feira que seja feito um esforço comum e global contra a escravidão, um tema que considera atual e que se manifesta através do tráfico de seres humanos ou da exploração laboral. O apelo do papa foi feito numa mensagem de vídeo enviada ao 2.º Fórum Internacional sobre as formas modernas de escravidão, que decorre até terça-feira em Buenos Aires.

O objetivo do encontro é reunir políticos, teólogos e estudiosos provenientes da América Latina e outras regiões, para dar continuidade à conversa iniciada no primeiro fórum. Na mensagem, Francisco lembrou que a escravidão não é algo do passado, mas uma prática atual e com raízes profundas que se manifestam através do tráfico de seres humanos, exploração do trabalho por meio de dívidas, exploração de crianças, exploração sexual e trabalho doméstico forçado.

“Cada um destes fenómenos é mais grave e desumano que o outro”, refere o papa assinalando estatísticas recentes de que “existem 40 milhões de pessoas, homens, mas especialmente mulheres e crianças, em situação de escravidão”. O papa defendeu ainda que “ninguém pode ficar indiferente e, de algum modo, cúmplice deste crime contra a humanidade”.

“Não podemos olhar para outro lado e declarar a nossa ignorância ou a nossa inocência”, disse adiantando que é importante agir em favor dos que se tornaram escravos, defender os seus direitos e “impedir que os corruptos e os criminosos escapem da justiça e mantenham o controle sobre as pessoas escravizadas”. “Juntos podemos construir uma sociedade renovada e orientada à liberdade, à justiça e à paz”, concluiu o papa na mensagem de vídeo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)