Rádio Observador

Rolls-Royce

Rolls-Royce Cullinan. Tudo sobre o mais luxuoso SUV

O primeiro SUV da Rolls-Royce é luxo de uma ponta à outra. “Quadradão” por fora, lindo por dentro, exala potência e performance. Promete conforto máximo em qualquer piso e “mimos” que só tem quem pode

Em poucos minutos, a Rolls-Royce pôs fim a meses de especulações em torno do seu primeiro SUV. Com nome de diamante, ao Cullinan não é só pedido que honre os pergaminhos da casa britânica, em termos de luxo – é esperado também que brilhe comercialmente. À semelhança, aliás, do que já acontece na Bentley com o Bentayga ou na Lamborghini com o Urus. Sendo que a própria Ferrari também já se prepara para marcar presença neste segmento, que teima continuar a crescer.

Para fazer frente à concorrência, ainda para mais tendo chegado mais tarde, a Rolls-Royce tinha de se demarcar com esta proposta. E, por aquilo que nos foi dado a ver, fê-lo: o Cullinan tem detalhes em que o comum dos mortais não pensa. A ideia foi mesmo essa, fazer um SUV que o seu condutor possa usar tanto para ir à ópera, como para o meio da floresta, para fazer um piquenique com a família. Um carro que fique tão bem numa première, como num safari. No primeiro, o Rolls arrisca-se a ser a estrela; no segundo, o “rei da selva”.

Porquê? Desde logo, porque o Cullinan está longe de passar despercebido. Tem um certo ar “quadradão”, com a linha do tejadilho caindo em declive rumo à traseira, onde uns farolins de pequena dimensão ainda acentuam mais a grandiosidade do modelo. Com 5,34 metros de comprimento, ou seja, apenas 42 cm mais curto que o Phantom; 2,16 metros de largura e 1,83 de altura, o SUV britânico tem uma presença imponente e não abdica de um certo ar de família. Para além da estatueta Spirit of Ecstasy que encima o capot, encontram-se outros elementos característicos da linguagem de design da marca, como o sejam o formato da grelha ou o desenho dos faróis. As portas suicidas também compõem a “assinatura”, ao mesmo tempo que deverão facilitar a entrada a bordo de passageiros. Igualmente a pensar nisso, a suspensão a ar rebaixa 40 mm no momento em que se está a aceder ao interior, para depois retomar à posição original, já com os ocupantes devidamente instalados no habitáculo. Tudo isto automaticamente, claro.

Ora, é justamente essa suspensão (triângulos sobrepostos à frente e do tipo five-link atrás) que a Rolls-Royce “vende” como sendo um dos maiores argumentos do Cullinan: com câmaras-de-ar maiores do que as que já equipam o Phantom e amortecedores adaptáveis, o sistema recorre a câmaras que vêem o caminho que está pela frente e, em função dessa leitura, a suspensão adapta-se para melhor lidar com o piso.

Para evoluir na estrada como um “tapete mágico”, oferecendo a quem segue a bordo o máximo conforto, o Cullinan monta-se sobre uma plataforma integralmente em alumínio, a chamada “Architecture of Luxury”, e oferece uma exploração do espaço interior digna dos mais altos padrões de requinte: o volante é aquecido e os bancos podem ventilar ou aquecer. Nada de novo, poderia estar a pensar – a diferença é que neste Rolls a ventilação e o aquecimento não se ficam pelos assentos, antes se estendem aos braços das portas e aos apoios de braço ao centro, quer à frente quer atrás.

Atrás é onde (muito provavelmente) seguirá o dono do SUV, motivo pelo qual o banco traseiro pode ceder espaço a dois bancos individuais, refinadamente separados por um bar. Copos de uísque e de champanhe fazem a festa, sendo certo que, seja lá qual for a bebida, será servida à temperatura ideal, cortesia de um compartimento refrigerado.

Mas, em prol do conforto térmico e acústico, pela primeira vez um SUV tem uma separação entre os ocupantes dos lugares posteriores e a bagageira. Esta última acolhe entre 600 e 1.930 litros, mediante o rebatimento dos bancos, pelo que há espaço de sobra para transportar um Rembrandt sem riscos. Lá atrás, com a tampa da bagageira aberta e ao toque de um botão, aparecem dois bancos e uma pequena mesa, pelo que os piqueniques ou os cocktails ao fim da tarde estão garantidos.

Não deixa de ser curioso, no entanto, a necessidade que a Rolls tem em realçar que o seu SUV nada tem de ordinário – só extraordinário. Uma mensagem passada sob a forma de descritivo das vantagens da plataforma própria, para que não haja confusões: a base do Cullinan não tem nada que ver com produtos mais “banais” como o Série 7 ou o futuro X7, embora Rolls e BMW pertençam ao mesmo grupo.

Acusando 2.660 kg sobre a balança, o SUV britânico não revelou prestações de 0 a 100 km/h, com a marca a adiantar apenas a velocidade máxima: 250 km/h. A fazer as despesas da locomoção o mesmo motor que se encontra no Phantom um V12 de 6,75 litros biturbo, a debitar 571 cv e 850 Nm de binário. A Caixa automática é uma ZF de oito velocidades, que canaliza a força para as quatro rodas através de um sistema de tracção integral desenvolvido pela própria Rolls, sendo que a maior parte da força é transmitida ao eixo traseiro, o qual, dependendo da situação, pode receber até 90% do torque.

Prometendo ser tão eficaz em estrada como fora dela, basta carregar no botão offroad para o Cullinan ir até ao fim do mundo, se preciso for. Pelo que, em jeito de piada, a marca chama-o de Everywhere button.

À boa maneira da Rolls, o preço não foi divulgado, mas tudo indica que superará os 350 mil euros, fora os opcionais que este tipo de clientes tanto aprecia. As primeiras entregas deverão começar a ocorrer no início do próximo ano.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)