Genética

Já se conhece o genoma do sobreiro de Montargil

396

O sobreiro, declarado árvore nacional no final de 2011, viu agora o seu genoma ser revelado ao mundo por um grupo de investigadores portugueses.

Os sobreiros são importantes tanto em termos económicos como ecológicos

Tiago Petinga/LUSA

O sobreiro de Montargil — aquele que foi escolhido para o projeto de investigação Genosuber — tem entre 125 e 150 anos e, esta terça-feira, viu o seu genoma ser anunciado ao mundo, ou pelo, menos o primeiro “rascunho”. É a primeira que um sobreiro (Quercus suber) é analisado até às “letras” que formam a base da sua genética — mais de 900 milhões de pares de bases. O artigo foi publicado na revista Scientific Data, do grupo Nature, e resultou do trabalho, ao longo de quase cinco anos, de investigadores de várias instituições nacionais.

Para escolher este sobreiro, a equipa teve em consideração o potencial de continuar a produzir cortiça depois da sequenciação do genoma — até aos 180 ou 200 anos — e estar suficientemente isolada das azinheiras para se tratar de um “sobreiro puro” e não de um híbrido (resultante do cruzamento das duas espécies), escreveu o Público em 2013.

O sobreiro na Herdade dos Leitões, em Montargil (Portalegre), que foi sequenciado geneticamente

Mas para que precisamos de conhecer o genoma do sobreiro? Porque se pode detetar precocemente características de interesse, como a qualidade da cortiça, a tolerância às pressões ambientais ou a resistência às pragas, mas também porque se pode melhorar a espécie, aumentar a sua diversidade genética e certificar os produtos resultantes, explicou M. Margarida Oliveira, investigadora no Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, da Universidade Nova de Lisboa, numa apresentação em 2013.

O sobreiro é uma peça fundamental de um ecossistema único — o montado –, assim como é um elemento importante da economia portuguesa, sobretudo na produção de cortiça. O declínio do montado tem preocupado empresários, agricultores e cientistas. Com a sequenciação do genoma desta espécie, os interessados esperam poder munir-se de melhores ferramentas para contrariar os efeitos negativos de vários fatores, como alterações climáticas e intensificação da agricultura.

De facto, apesar da relevância económica da produção de cortiça, nenhum plano de seleção genética foi estabelecido para esta espécie, comprometendo o desenvolvimento de árvores geneticamente melhores, capazes de produzir cortiça de elevada qualidade, que mostrem maior resistência aos fatores de stress biótico e abiótico a com potencial para se adaptarem a novas práticas de gestão silvícola que possam ser implementadas no futuro”, escrevem os autores no artigo.

Porque é que não se avalia a qualidade da cortiça, na própria cortiça? Porque só é possível fazer uma boa avaliação da cortiça propriamente dita depois da árvore completar 40 anos. Da mesma forma, a resistência à seca, às doenças e pragas, assim como as modificações causadas pelas alterações climáticas, só podem ser observadas a longo prazo. A análise genética encurta todos estes tempos de espera.

A equipa quer agora passar o rascunho a limpo e preparar uma versão melhorada da sequenciação do genoma. Em curso está também a caracterização molecular dos mecanismos que levam à formação da cortiça. Neste momento, o trabalho — que resultou do maior projeto de sequenciação feito em Portugal — já está disponível numa base de dados internacional e gratuita.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)