OCDE

OCDE baixa previsão de crescimento para 2018 e 2019, está mais otimista no défice

Organização reviu a previsão para o crescimento económico em 2018 e 2019, ficando ligeiramente mais pessimista que o Governo, e alerta para impacto negativo de acabar com o banco de horas individual.

AFP/Getty Images

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) espera que a economia portuguesa cresça menos este ano e no próximo, mas considera que o crescimento deverá continua a ser robusto, prevendo agora que a economia cresça 2,2% em 2018 e 2019, menos uma décima que a sua anterior previsão e que a atual estimativa do Governo. A organização deixa ainda dois alertas: um choque económico ou financeiro pode afetar significativamente a economia devido ao elevado endividamento da economia, em particular do Estado; a eliminação do banco de horas individual pode trazer problemas para o mercado de trabalho.

Depois do Fundo Monetário Internacional, a OCDE também decidiu rever em baixa a sua previsão de crescimento para este ano. O FMI, que terminou esta terça-feira a sua avaliação regular da economia portuguesa, alinhou a sua previsão com a do Governo (era mais otimista) e antecipa um crescimento de 2,3% para este ano, mas espera um abrandamento significativo já a partir de 2019. No caso da OCDE, a previsão era igual à do Governo, mas passa agora a ser de uma décima abaixo, tanto em 2018 como em 2019.

Apesar da revisão em baixa, a OCDE diz que o crescimento deve continuar a ser sólido devido ao consumo, que deverá continuar a crescer graças à melhoria no mercado de trabalho. O otimismo da organização neste domínio refletiu-se nas suas previsões para a taxa de desemprego, que foi revista em baixa de forma significativa: de 8,2% para 7,5% em 2018; de 7,4% para 6,6% em 2019.

No entanto, a organização liderada por Ángel Gurría alerta que a economia portuguesa está especialmente vulnerável a choques externos, devido ao elevado endividamento da economia portuguesa, e em especial do Estado português. “Desenvolvimentos económicos e financeiros negativos podem ter um impacto especialmente negativo na economia no presente, dado que o elevado stock de dívida pública limita a capacidade de resposta da política orçamental”, adianta.

No Economic Outlook que publica esta quarta-feira, a instituição demonstra-se mais otimista quanto aos resultados na vertente orçamental, face ao que esperava em novembro do ano passado. A OCDE espera agora que o défice caia para 0,7% este ano, e para 0,2% no próximo ano, o mesmo que o esperado pelo Governo.

Quando fez estas previsões em novembro, as suas estimativas já eram iguais às do Governo, mas o Executivo atualizou as previsões quando enviou o Programa de Estabilidade para Bruxelas, no mês passado, fruto do resultado melhor que o esperado no défice de 2017, e do impacto positivo que isso traz para 2018.

No entanto, a organização, que não divulga previsões para a evolução do saldo estrutural – tal como o fazem a Comissão Europeia e (apesar de com critérios diferentes) o FMI – diz que a orientação da política orçamental deverá ser ligeiramente expansionista, o que significaria um aumento do défice estrutural, ao contrário do que diz por exemplo o Conselho das Finanças Públicas. A Comissão Europeia prevê uma estabilização do saldo estrutural, enquanto o Governo continua a prever uma redução.

O documento, da responsabilidade do departamento liderado pelo antigo ministro da Economia, deixa ainda um reparo a uma ideia que ainda está em discussão entre Governo e parceiros sociais, a eliminação do banco de horas individual. Segundo a OCDE, esta proposta poderá ter consequências negativas no mercado de trabalho, numa altura em que a economia tem beneficiado precisamente do crescimento do emprego acima do esperado.

Governo reafirma compromisso com reformas

Num comunicado em que reage ao documento publicado esta quarta-feira pela OCDE, o Governo diz que a OCDE “reconhece como positivos os efeitos da política orçamental” e que a economia deverá crescer acima de 2% este ano e no próximo, tal como é projetado no Programa de Estabilidade.

O Governo também “reafirma o seu compromisso com as reformas em curso, prosseguindo a execução do Programa Nacional de Reformas para aumentar o crescimento potencial da economia, melhorar as condições do mercado de trabalho e consolidar as contas públicas”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)