Rádio Observador

Eutanásia

Lembra-se do cartaz “Não matem velhinhos”? Jovem que o segurou defende-se

1.614

Vera Guedes de Sousa foi fotografada a segurar um cartaz polémico na última manifestação contra a despenalização da eutanásia. Depois das críticas, a estudante de Medicina defende-se via Facebook.

A fotografia original do cartaz é da autoria de Nuno Botelho e foi inicialmente publicada no Expresso.

© Facebook

Vera Guedes de Sousa, estudante de Medicina, não é a autora do cartaz “Não matem os velhinhos”, mas foi ela quem o segurou, levantou acima dos ombros, aquando da manifestação contra a despenalização da eutanásia, no mesmo dia em que a Assembleia da República chumbou os quatro projetos de lei que pretendiam despenalizar a morte medicamente assistida, no passado dia 29 de maio.

O cartaz em questão tornou-se de tal forma viral que a jovem sentiu necessidade de se defender: num longo texto publicado esta segunda-feira na rede social Facebook, Vera Guedes de Sousa garante que prefere ser criticada por aquilo em que realmente acredita “e não pela imagem totalmente distorcida e ridícula que alguns procuraram criar”.

No post em questão — que poucas horas após a sua publicação já contava com mais de 1.600 ‘gostos’ e 34o ‘partilhas’ — a jovem escreve que a “multiplicidade de respostas que visaram ridicularizar este cartaz e quem o segurava”, de forma por vezes violenta, deixou-a “desolada e surpreendida”. “Apercebi-me da superficialidade e agressividade gratuita com que debatemos temas sociais nos órgãos de comunicação social e redes sociais, talvez porque pela primeira vez senti tudo isto na pele”, continua.

Como é evidente ninguém associa a eutanásia à “abertura da época de caça aos velhinhos”, como ouvi há dias na televisão. Não sendo eu a autora do cartaz, sei que o mesmo pretendeu sensibilizar as pessoas para a vulnerabilidade dos idosos caso a eutanásia venha a ser legalizada e promovida pelo Estado. A sua condição mais frágil e débil, possíveis fracos recursos económicos e falta de acesso a cuidados paliativos torna-las-á mais suscetíveis para pedir a morte caso esta opção seja legitimada pela Sociedade e facultada pelos serviços do Estado. Este é o verdadeiro significado do cartaz”, escreve Vera Guedes de Sousa.

A estudante de Medicina diz-se triste ao deparar-se com a possibilidade de que a profissão que “sonha” vir a exercer “possa ter no futuro uma função acrescida: o poder legal para matar” e que, na sua opinião, a morte medicamente assistida já é “uma prática atual e dever de todos os médicos — o de acompanhar o doente até ao fim da sua vida, prestando-lhe cuidado e atendimento.” “Na eutanásia, por sua vez, o médico torna-se o veículo da precipitação da morte do doente”, afirma.

Neste momento, mais de 70 mil pessoas não têm acesso a Cuidados Paliativos. Esta sim devia ser a luta dos portugueses e dos seus representantes políticos. Como explicar a pressa na criação de uma lei que permitirá que pessoas sejam assistidas para morrer, quando não damos às mesmas os cuidados a que elas têm direito?

Vera Guedes de Sousa traz à conversa os países onde a eutanásia foi legalizada para escrever ainda que a prática “tem vindo a tornar-se progressivamente uma ‘solução barata’, ‘normal’ e até ‘útil do ponto de vista económico”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)