Relações Internacionais

Costa fala de “excelente momento” para estreitar relações entre Portugal e Roménia

António Costa considera ser um "excelente momento" para estreitar relações entre Portugal e Roménia, sublinhando a importância da presidência romena da UE ser "coroada de um grande sucesso".

NUNO FOX/EPA

O primeiro-ministro, António Costa, considerou esta quarta-feira ser um “excelente momento” para estreitar relações entre Portugal e Roménia, sublinhando a importância da presidência romena da União Europeia, entre janeiro e junho de 2019, ser “coroada de um grande sucesso”. António Costa recebeu esta quarta-feira, no Palácio Foz, em Lisboa, a primeira-ministra da Roménia, Vasilica-Viorica Dancila, tendo aproveitado para homenagear a comunidade romena em Portugal, que “é hoje a quarta comunidade estrangeira mais importante a residir” no país.

“Este é um excelente momento para podermos estreitar as nossas relações, quer do ponto de vista bilateral, quer no âmbito da União Europeia, onde habitualmente partilhamos a mesma visão de uma Europa que assegure a paz, que fomente a prosperidade e que reforce a coesão entre os diferentes países da União Europeia”, defendeu.

Tendo os dois homólogos assinado três acordos de cooperação nas áreas da medicina e da ciência, o primeiro-ministro recordou que as relações entre os dois países “têm uma longa história” e ainda no ano passado celebraram 100 anos, sendo Portugal e a Roménia cada vez mais parceiros mais sólidos. António Costa afirmou que a Roménia “se prepara para assumir, dentro de poucos meses, a presidência da União Europeia”, o que acontecerá entre janeiro e junho de 2019, considerando “muito importante que esta presidência romena seja coroada de um grande sucesso”.

Esta presidência, concretizou o chefe do Governo português, “vai ocorrer num momento muito desafiante” para a União Europeia, com a conclusão das negociações com o Reino Unido para o ‘Brexit’, o orçamento europeu plurianual, a consolidação da reforma da Zona Euro e as questões migratórias.

“É uma presidência que se vai desenvolver já no quadro da próxima presidência portuguesa, que terá lugar em 2021 e em que teremos que apresentar ainda à presidência romena o programa tripartido entre a Alemanha, Portugal e a Eslovénia para dar sequência ao próximo trio de presidências”, sublinhou ainda. Segundo António Costa, a história entre Portugal e a Roménia “tem permitido desenvolver as relações bilaterais do ponto de vista económico e do ponto de vista cultural”.

“E a assinatura hoje, destes acordos que aqui assistimos, entre instituições cientificas portuguesas e romenas e da cooperação no domínio da saúde entre Portugal e a Roménia são uma marca simbólica da vontade que temos de continuar a desenvolver e a estreitar estas relações, que do ponto de vista humano se estreitam diariamente com o contributo que muitos romenos dão para o desenvolvimento do nosso país, aqui vivendo, trabalhando, estudando”, observou.

Entre os três acordos de cooperação assinados, um foi no âmbito da política de saúde e da medicina, entre os ministérios da saúde de ambos os países, cooperando Portugal e a Roménia em matérias como os recursos humanos, a troca de boas práticas na política do medicamento, os planos de emergência e e-health. Outro dos acordos firmados foi de cooperação entre a Universidade de Lisboa e a Universidade de Medicina e Farmácia de Tirgu Mures.

Um terceiro memorando de entendimento foi ainda assinado entre o Instituto Superior Técnico e o Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento para a Física e Engenharia Nuclear “Horia Hulubei” da Roménia referente à implementação do projeto infraestrutura de Luz Extrema – Física Nuclear, uma iniciativa europeia que visa criar o laser mais potente do mundo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Este mundo não é para liberais /premium

Diana Soller

Voltámos a um mundo de competição entre grandes potências, sem que se tenham sentado a negociar um novo sistema normativo, mas como resultado da convergência à procura da maior preponderância.

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Helena Matos

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)