Rádio Observador

Óbito

Veja os programas de Anthony Bourdain em Portugal

258

O chef que morreu esta sexta-feira aos 61 anos gravou três programas em Portugal. Açores, Lisboa e Porto foram os locais por onde Anthony Bourdain passou.

A última passagem de Anthony Bourdain por Portugal foi na cidade do Porto, no programa 'Parts Unkown'

Porto, Lisboa e Açores. Foram estes os locais que Anthony Bourdain visitou em Portugal para produzir os três programas de televisão dedicados ao país. O chef norte-americano morreu esta sexta-feira aos 61 anos.

A primeira visita aconteceu em 2002, a bordo do programa ‘A Cook’s Tour’. O chef e apresentador gravou o sétimo episódio da primeira temporada na cidade do Porto.

A segunda vez foi em 2009, nos Açores, a propósito do programa ‘No Reservations’ Anthony Bourdain passou pelas ilhas de S. Miguel, Ponta Delgada, Faial, Pico e São Jorge. O chef esteve com vários habitantes e almoçou e almoçou e jantou em restaurantes típicos e até em casas de famílias. Ordenhou cabras, provou linguiça e assistiu à confeção do cozido das furnas, do polvo guisado do Pico e das ameijoas da Caldeira de Santo Cristo. Quando provou o cozido das furnas, Anthony Bourdain descreveu o prato como “fantástico”.

A terceira passagem aconteceu em dezembro de 2011, no mesmo programa. O episódio, que foi emitido em 2012, foi passado em Lisboa. O chef provou, além de outras coisas, polvo assado e a tão portuguesa bifana. Esteve na Cervejaria Ramiro com os chefs José Avillez e Henrique Sá Pessoa, foi aos fados com António Lobo Antunes, conversou com os Dead Combo.

Mais tarde voltou a encontrar José Avillez no restaurante Cantinho do Avillez, onde almoçou com Tozé Brito. Jogou chinquilho — ou malha — com Ljubomir Stanisic e passou no Bistro 100 Maneiras. O reecontro com Sá Pessoa aconteceu numa passagem pelo Mercado de Alvalade, à qual se seguiu uma visita ao restaurante Alma, do mesmo chef, para comer com José Diogo Quintela. Para Anthony Bourdain, Lisboa tem tudo: “música, uma costa incrível, marisco, história, arquitetura”, diz durante o episódio.

A visita mais recente foi em fevereiro de 2017, já num novo programa: ‘Parts Unknown’. Anthony Bourdain voltou à cidade onde tinha gravado o primeiro programa em Portugal: o Porto, Foi emitido em Portugal em agosto.

Entre outras coisas, Anthony Bourdain viu como se faz (e provou) a tão típica francesinha, no restaurante O Afonso. “Qual é o índice per capita de doenças cardíacas neste país? Só por curiosidade”, brincou o chef.

[Em ambiente de diversão, com a namorada e o diretor que admirava. Veja o último vídeo de Bourdain]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)