Rádio Observador

República Centro Africana

Militares em missão na República Centro-Africana são um “orgulho para Portugal”, diz comandante

O comandante da Força Nacional Destacada disse que os militares em missão na República Centro-Africana são um "orgulho para Portugal, para os portugueses e todos os militares".

A 3.ª força Nacional Destacada Conjunta, composta por 159 militares, iniciaram a sua missão em 5 de março de 2018 e têm a data prevista de finalização no início de setembro

José Sena Goulão/LUSA

O comandante da Força Nacional Destacada disse este sábado que os militares na República Centro-Africana (RCA) são um “orgulho para Portugal, para os portugueses e todos os militares“, salientando que estão em permanente prontidão para responder às missões.

É uma honra e um privilégio ser comandante de uma Força Nacional Destacada e ter a possibilidade de comandar os militares que compõem a minha força em todas as especialidades e áreas. O trabalho que temos desenvolvido é um orgulho para mim em nome de Portugal, dos portugueses e de todos os militares”, disse o tenente-coronel paraquedista João Bernardino, que falou com a agência Lusa através de uma ligação telefónica via satélite.

O tenente-coronel lidera a 3.ª força Nacional Destacada Conjunta, composta por 159 militares, 156 do Exército, sendo 126 paraquedistas, e três da Força Aérea, que iniciaram a sua missão em 05 de março de 2018 e têm a data prevista de finalização no início de setembro.

Os militares que estão no terreno compõem a Força de Reação Rápida (Quick Reaction Force) da Minusca, a Missão Multi-dimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana e têm a sua base principal na capital, Bangui.

Estamos num campo na cidade de Bangui. A Força de Reação Rápida é uma força de primeira intervenção que pode atuar em qualquer parte da RCA se assim for necessário. Estivemos projetados nos últimos 30 dias e regressámos no dia 11. Estamos numa fase de regeneração”, afirmou.

João Bernardino disse que os militares portugueses, apesar de cansados, estão “moralizados e concentrados” nas suas tarefas.

A situação dos militares é de permanente prontidão para fazer face às necessidades e às circunstâncias de acordo com as tarefas atribuídas a nós como Força de Reação Rápida, o que nos obriga a ter um estado de prontidão elevado e que o material esteja pronto para as necessidades, que por vezes nos obriga a deslocamentos, tal como fizemos agora, de 400 quilómetros”, frisou.

O comandante da força respondeu ainda sobre a polémica em relação ao armamento, relacionado com o uso da G-3 em detrimento da espingarda automática Galil, referindo que os militares estão equipados para responder ao cenário encontrado.

“As armas que temos aqui são as G-3, mas que foram melhoradas com novos acessórios, que melhoram a sua eficiência. A G-3 que temos aqui responde aos requisitos operacionais para o teatro de operações da RCA“, defendeu.

Os militares da 3.ª força Nacional Destacada Conjunta portugueses já estiveram envolvidos em quase duas dezenas de confrontos desde que iniciaram a sua missão a 05 de março.

A força teve 18 contactos com grupos armados desde que iniciámos a nossa missão a 05 de março. A missão tem decorrido com os mesmos parâmetros de ameaça e risco que decorreu a primeira e segunda Força Nacional Destacada para a RCA. De acordo com as missões atribuídas, temos efetuados as tarefas necessárias“, disse, referindo que os outros contingentes também responderam “em conformidade” em todas as situações.

Sobre a RCA, o comandante da força nacional referiu que existe muito trabalho a ser efetuado, de modo a apoiar as populações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)