O comandante da Força Nacional Destacada disse este sábado que os militares na República Centro-Africana (RCA) são um “orgulho para Portugal, para os portugueses e todos os militares“, salientando que estão em permanente prontidão para responder às missões.

É uma honra e um privilégio ser comandante de uma Força Nacional Destacada e ter a possibilidade de comandar os militares que compõem a minha força em todas as especialidades e áreas. O trabalho que temos desenvolvido é um orgulho para mim em nome de Portugal, dos portugueses e de todos os militares”, disse o tenente-coronel paraquedista João Bernardino, que falou com a agência Lusa através de uma ligação telefónica via satélite.

O tenente-coronel lidera a 3.ª força Nacional Destacada Conjunta, composta por 159 militares, 156 do Exército, sendo 126 paraquedistas, e três da Força Aérea, que iniciaram a sua missão em 05 de março de 2018 e têm a data prevista de finalização no início de setembro.

Os militares que estão no terreno compõem a Força de Reação Rápida (Quick Reaction Force) da Minusca, a Missão Multi-dimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana e têm a sua base principal na capital, Bangui.

Estamos num campo na cidade de Bangui. A Força de Reação Rápida é uma força de primeira intervenção que pode atuar em qualquer parte da RCA se assim for necessário. Estivemos projetados nos últimos 30 dias e regressámos no dia 11. Estamos numa fase de regeneração”, afirmou.

João Bernardino disse que os militares portugueses, apesar de cansados, estão “moralizados e concentrados” nas suas tarefas.

A situação dos militares é de permanente prontidão para fazer face às necessidades e às circunstâncias de acordo com as tarefas atribuídas a nós como Força de Reação Rápida, o que nos obriga a ter um estado de prontidão elevado e que o material esteja pronto para as necessidades, que por vezes nos obriga a deslocamentos, tal como fizemos agora, de 400 quilómetros”, frisou.

O comandante da força respondeu ainda sobre a polémica em relação ao armamento, relacionado com o uso da G-3 em detrimento da espingarda automática Galil, referindo que os militares estão equipados para responder ao cenário encontrado.

“As armas que temos aqui são as G-3, mas que foram melhoradas com novos acessórios, que melhoram a sua eficiência. A G-3 que temos aqui responde aos requisitos operacionais para o teatro de operações da RCA“, defendeu.

Os militares da 3.ª força Nacional Destacada Conjunta portugueses já estiveram envolvidos em quase duas dezenas de confrontos desde que iniciaram a sua missão a 05 de março.

A força teve 18 contactos com grupos armados desde que iniciámos a nossa missão a 05 de março. A missão tem decorrido com os mesmos parâmetros de ameaça e risco que decorreu a primeira e segunda Força Nacional Destacada para a RCA. De acordo com as missões atribuídas, temos efetuados as tarefas necessárias“, disse, referindo que os outros contingentes também responderam “em conformidade” em todas as situações.

Sobre a RCA, o comandante da força nacional referiu que existe muito trabalho a ser efetuado, de modo a apoiar as populações.