Presidente da República

Marcelo desvalorizou subida da dívida e confia que esta irá descer daqui a meses

1.756

Presidente da República relativiza subida da dívida pública para um máximo histórico, defendendo que é conjuntural, e mostrou-se confiante que a dívida irá descer daqui a uns meses.

Inácio Rosa/LUSA

O Presidente da República relativizou esta terça-feira a subida da dívida pública para um máximo histórico, divulgada na segunda-feira pelo Banco de Portugal, defendendo que é conjuntural e manifestando-se confiante de que irá descer daqui a uns meses.

Quando for a altura do reembolso, daqui por uns meses, desce o montante da dívida. Perguntar-se-á: mas porque é que não se espera por essa altura para ir contrair dívida para reciclar e substituir a anterior? Porque se pensa que, neste momento, é preferível ir ao mercado a esperar por outros momentos”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no final de uma festa da Casa Pia de Lisboa, no Jardim Vasco da Gama, em Belém, à qual chegou atrasado por ter estado reunido com o presidente ‘pro tempore’ do Senado dos Estados Unidos da América, Orrin Hatch.

Interrogado, depois, sobre as greves dos professores e o seu impacto nas avaliações dos alunos, o Presidente da República não quis comentar o assunto, mas disse: “Aquilo que espero é que as famílias possam partir para férias sabendo quais são os planos para o próximo ano letivo, quer no acesso ao ensino superior, quer na vida do dia a dia”.

Questionado sobre a subida da dívida pública para um novo máximo de 250,3 mil milhões de euros em termos brutos divulgada na segunda-feira pelo Banco de Portugal, o Presidente da República começou por referir que “há uma época do ano em que, nem é o Governo, é a entidade que emite dívida pública entende que se deve ir ao mercado”.

Isso acontece “ou porque as condições são muito boas — e de facto os números de hoje são simpáticos — ou porque teme que as condições piorem”, prosseguiu.

“E mais vale prevenir do que remediar”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa, concluindo que “isso faz com que, num período de tempo, umas semanas ou uns meses, o volume de dívida suba, porque o pagamento, o reembolso que temos de fazer era mais para diante”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)