Ministério do Ambiente

Reduzir o desperdício alimentar para poupar água: Governo lança nova campanha

103

A nova campanha do Governo que deverá ser lançada ainda este verão procura consciencializar os portugueses para comportamentos diários que podem indiretamente poupar água.

AFP/Getty Images

A nova campanha do Governo, que deverá ser lançada ainda este verão, procura consciencializar os portugueses para comportamentos diários que podem indiretamente contribuir para poupar água.

“Esta campanha será mais orientada para essas rotinas [diárias] e para chamar atenção para aspetos que muitas vezes escapam às pessoas”, esclarece o Secretario de Estado do Ambiente. que afirma que o objetivo é incentivar a população a passar da teoria à prática. “Cada vez que estão a lidar com sistemas do seu quotidiano pensem duas vezes naquilo que são as implicações [ambientais] desses gestos traduzidos em água e na otimização deste recurso”.

O Secretario de Estado do Ambiente Carlos Martins deu o exemplo da carne de vaca e do pão como produtos alimentares que requerem a utilização de vastos recursos hídricos durante a produção. O objetivo do Governo não é, no entanto, incentivar a população a deixar de consumir estes produtos, mas criar a consciência que, por exemplo, para produzir um quilo de carne de vaca são necessários 15 mil litros de água.

“Haja consciência que quando há desperdício alimentar, estamos também implicitamente a perder recursos hídricos, porque mais de 80% da água que é utilizada no país e dos nossos recursos hídricos são mobilizados para a agricultura”, esclareceu em declarações à TSF. Carlos Martins explica que o objetivo é que os portugueses tenham “mais interiorizado o verdadeiro valor que a água tem para as suas vidas”.

Esta campanha surge na sequência dos resultados de um inquérito que foram divulgados em maio, em plena época de seca. Segundo a Águas de Portugal, existe uma “dissonância entre as atitudes e os comportamentos” da população. Apesar de 83,3% dos inquiridos reconhecerem que a água é um bem escasso, 61,8% admite que não faz um uso responsável deste recurso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
União Europeia

A crítica da razão europeia (II) /premium

António Covas

A “dinâmica convencional” da Federação Europeia de Estados-Nação será ascendente e descendente, de acordo com o princípio de subsidiariedade, assim se distinguindo de uns Estados Unidos da Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)