Brexit

Os 5 pontos essenciais do soft Brexit de Theresa May

Depois de uma semana conturbada no Executivo britânico devido ao Brexit, foi divulgada a estratégia do governo de Theresa May para a saída do Reino Unido da União Europeia.

O Brexit foi aprovado em referendo pelos britânicos a junho de 2016

ANDY RAIN/EPA

Que o Reino Unido vai sair da União Europeia parece já não haver dúvidas. Mas como? Desde 2016 que não se sabe a resposta concreta. Depois de uma semana com demissões no governo de Theresa May, a primeira-ministra britânica divulgou o livro branco [white paper] quanto ao “futuro da relação entre o Reino Unido e a União Europeia”. Do documento, constam objetivos como a circulação de cidadãos, a manutenção da paz entre a Irlanda e a Irlanda do Norte e as novas parcerias económicas entre os britânicos e a União.

Em cinco pontos deixamos o essencial do documento que marcará o futuro imediato do Reino Unido.

Permissão para cidadãos europeus viajarem livremente para o Reino Unido sem vistos

Depois de Bruxelas e Londres chegarem a acordo, podem os cidadãos da União Europeia (UE) viajar sem muitas preocupações, além de trocarem euros por libras? Segundo o livro branco, a resposta é “sim”. A estratégia do Executivo de May neste soft Brexit (saída suave numa tradução livre) — passa por manter muitos dos acordos com Bruxelas mas pode ler-se no documento que existe abertura para que a livre circulação continue. Contudo, e como lembra o The Guardian, a liberdade de circulação plena como existe atualmente com a UE, acaba no final do período de transição, em dezembro de 2020.

Possibilidade de estudantes europeus estudarem no Reino Unido

“Qualquer acordo quanto ao futuro da mobilidade vai ser consistente com o fim da liberdade de circulação”, lê-se no documento. Mas há a ressalva: “Atendendo à relação e aos laços próximos entre as populações do Reino Unido e da União Europeia, vai ser tomada uma decisão soberana num determinado número de áreas”.

O documento refere que vai ser criado um novo modelo que, respeitando o controlo de fronteiras do Reino Unido, “ajudará estudantes e jovens a aproveitar as oportunidades e experiências já disponíveis”. Como exemplo de como funcionará, o documento menciona as parcerias nesta área que Londres já tem com a Austrália e com o Canadá, dizendo ainda que se deve continuar a dar oportunidades através de programas como o Erasmus+  — um programa Erasmus que já inclui países que não pertencem à União Europeia.

Em aberto: europeus podem trabalhar no Reino Unido

O documento refere que o Reino Unido vai continuar a providenciar aos trabalhadores os mesmos direitos que a União Europeia já garante. O que está em aberto é a possibilidade de cidadãos europeus continuarem a trabalhar com as mesmas condições e direitos que têm enquanto o Reino Unido ainda faz parte da UE.

No documento também se lê que vão ser criados “acordos” que, teoricamente, beneficiarão os países da União Europeia em relação a outros países. O objetivo é atrair os “melhores e mais brilhantes” europeus. Contudo, não há um compromisso quanto ao mesmo não poder vir ser feito com outras nações ou uma garantia a permitir que os cidadãos da União (e vice-versa) continuem a poder trabalhar em solo britânico com as mesmas facilidades que Bruxelas permite.

Manter a paz na Irlanda do Norte (e em Gibraltar)

É preciso evitar uma “fronteira forte” entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte que, só em 1998, assinaram um acordo de paz que pôs fim a anos de conflito entre os dois países. O mesmo documento deixa claro que é necessário “proteger a progresso feito” quanto à paz entre os dois países, “salvaguardando a integridade económica e constitucional do Reino Unido”. Para isso, a estratégia passará por manter a livre circulação de pessoas e bens, diz a estratégia de May.

Quanto a outro territórios disputados entre países da União e o Reino Unido, como Gibraltar, o documento refere que o país vai encontrar “acordos específicos”. Estes “terão em conta a significância e mútuo benefício dos laços económicos entre estas economias e os estados europeus”.

A criação de uma nova parceria económica entre o Reino Unido e a União Europeia

O objetivo é continuar com a atual parceria de livre circulação de bens e produtos entre o Reino Unido e a União Europeia. Mais burocracias poderão ser necessárias para a venda de produtos entre os dois mercados, com taxas a ser aplicadas aos produtos europeus, mas vai ser preciso criar um “novo acordo” porque, como os autores do documento referem, o Reino Unido “não pode ter todos os benefícios de ser membro de um mercado único sem as obrigações inerentes”.

Quanto a novas medidas, a proposta vai implicar um novo livro de regras para produtos alimentícios e agrícolas, e a participação do Reino Unido com as agências europeias acartando “as regras destas agências e contribuindo para o seus custos”.

As reações a este documento pelos políticos britânicos referiram-no como um soft brexit, como diz o The Guardian. No entanto, depois de queixas por este documento ter chegado primeiro a jornalistas do que aos membros da câmara dos representantes, recebeu críticas por parte da oposição de May por ser um documento desatualizado, sendo “um mau acordo para o Reino Unido” e “não aquilo em que as pessoas votaram”. Em resposta, a primeira-ministra britânica disse que as negociações com a União Europeia evoluíram e que são precisas “cedências de ambos os lados”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)