Rádio Observador

Descentralização

Bloco central na descentralização irrita esquerda. César diz que foi PSD “que se chegou à frente”

Acordo entre PS e PSD ganhou corpo com a aprovação no Parlamento do que faltava para fazer avançar a descentralização de competências para as autarquias. PCP queixou-se e César veio acalmar parceiros.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

PSD e PS juntaram-se para aprovar as iniciativas do PS, do PSD e do Governo, que dão corpo ao acordo para a descentralização administrativa que António Costa e Rui Rio firmaram a 18 de abril deste ano. Os dois partidos aprovaram sozinhos a lei quadro de transferência de competências para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais, o projeto para a criação de uma comissão independente para a descentralização e ainda a alteração à lei de Finanças Locais proposta pelo Governo. Mas perante críticas intensas das bancadas da esquerda (sobretudo PCP) e algum desconforto dentro das próprias bancadas que aprovaram as mudanças, no final o líder parlamentar do PS veio pôr água na fervura.

Carlos César foi até aos Passos Perdidos, na Assembleia da República, elogiar o “passo fundamental” dado na descentralização que “vai permitir que o país entre numa nova fase e que as autarquias ganhem uma nova dimensão de competências”. Depois explicou que aconteceu fruto de “um acordo com o PSD, mas podia ter sido com qualquer outro. O PS não privilegiou o PSD nesta matéria, foi o partido que se chegou à frente”. Explicações para a esquerda, a quem César garantiu ainda, a propósito desta votação, que “não tem uma aproximação política preferencial ao PSD e à direita”.

Os dois primeiros projetos (a lei quadro e a comissão independente para a descentralização) foram aprovados em votação final pelo PSD e PS, com os votos contra do PCP, BE, Verdes e PAN e a abstenção do CDS. Já a alteração à Lei de Finanças Locais — ponto-chave para a descentralização administrativa, já que dota as autarquias de instrumentos necessários para receber os novos poderes — foi aprovada com os votos do PS e PSD, a abstenção do CDS e da deputada do PS Helena Roseta, e os votos contra dos deputados do PSD Madeira (Rubina Berardo, Sara Madrugada da Costa e Paulo Neves), PCP, BE, PEV, PAN e o deputado independente da bancada do PS, Paulo Trigo Pereira.

Antes mesmo de se chegar à votação da Lei de Finanças Locais, a deputada comunista Paula Santos acusava PS e PSD de estarem a avançar com uma reforma “sem condições” para o fazer e que este processo “que vai reconfigurar o Estado, prejudica as populações, não garante o conjunto de meios para que estas competências possam ser transferidas, ao nível dos meios financeiros e técnicos”. O PCP atirou mesmo que se trata de uma “desresponsabilização do Estado”, num processo que vai “penalizar as populações e não garante a universalidade na saúde, educação e cultura”.

A Lei de Finanças Locais foi igualmente criticada pelo PCP, mas também pelo CDS, com Cecília Meireles a dizer que a alteração proposta pelo Governo e aprovada pelo PS e pelo PSD “põe em causa a coesão territorial”. Paulo Trigo Pereira, do PS, apresentou uma declaração de voto muito crítica da alteração que “não é a concretização financeira do processo de descentralização de competências. Na realidade praticamente o único artigo que de perto se relaciona com a descentralização é a criação de um Fundo de Financiamento da Descentralização”, do qual o deputado da bancada do PS discorda. Trigo Pereira também considera que a nova lei de Finanças Locais acaba por “reduzir a responsabilidade política dos decisores locais”.

O processo de transferência de competências começa no próximo ano e vai ser feito de forma faseada, estando completo até 2021. Os poderes a transferir a a forma como tudo será feito vai ser analisado em cada uma das áreas sectoriais (as principais são saúde, educação, cultural e ação social) e o processo vai ser acompanhado por uma comissão independente que vai aferir as necessidades financeiras inerentes à transferência de competências. Esta comissão vai ter representantes do Governo, dos grupos parlamentares, da Associação Nacional de Municípios e da Associação Nacional de Freguesias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Regionalização

Regionalização: um dos mitos do nosso tempo

João José Brandão Ferreira
268

A Regionalização é perigosa: já vimos que é potencialmente fragmentária. Seria um sumidouro de dinheiros públicos e um multiplicador de estruturas burocráticas. Enfim, a Regionalização é escusada. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)