Vladimir Putin

Putin diz que “forças” nos Estados Unidos querem sacrificar relações russo-americanas

O Presidente russo, Vladimir Putin, acusou "forças nos Estados Unidos" de estarem "prontas a sacrificar as relações russo-americanas", após a cimeira com Donald Trump, em Helsínquia.

SERGEI KARPUKHIN / POOL/EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, acusou esta terça-feira “forças nos Estados Unidos” de estarem “prontas a sacrificar as relações russo-americanas”, após a cimeira com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, em Helsínquia.

Nós vemos que existem forças nos Estados Unidos que estão prontas para sacrificar facilmente as relações russo-americanas em favor das suas ambições”, disse Putin num discurso aos embaixadores da Rússia, que estão reunidos em Moscovo.

Estas forças “estão dispostas a sacrificar os interesses dos seus aliados e até mesmo as garantias da sua própria segurança”, disse Putin, recordando neste contexto que o tratado para a redução de armas nucleares entre a Rússia e os Estados Unidos, o New START, deverá expirar em 2021.

Se não começarmos hoje, agora, o trabalho para prolongar este tratado, num ano e meio, ele simplesmente expirará, ele não existirá mais”, disse Putin.

Desde a cimeira entre Putin e o Presidente norte-americano, realizada na segunda-feira, Donald Trump tem estado sob fogo cerrado dos críticos nos Estados Unidos, inclusive no seu próprio partido, por ter feito declarações consideradas demasiado conciliatórias em relação à Rússia e Putin.

A conversa de duas horas entre os dois líderes, sem os seus assessores, é agora objeto de intensa especulação. Algumas autoridades sugeriram que o intérprete de Trump fosse questionado pelo Congresso norte-americano.

Vemos nessas forças dos Estados Unidos que os interesses dos seus partidos são mais importantes que os interesses nacionais”, afirmou Putin.

Vladimir Putin reiterou esta quinta-feira que a cimeira foi um “sucesso” e que o encontro iniciou o caminho para uma mudança positiva. “A Rússia, no entanto, permanece aberta ao fortalecimento de contactos com os Estados Unidos com base na igualdade e no benefício mútuo”, afirmou.

“Precisamos de uma agenda nova e positiva para conseguir um trabalho conjunto, para encontrar pontos de contacto. Nós falámos sobre isso durante a reunião com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)