Alterações Climáticas

Onda de calor. Sibéria com temperaturas tão altas como no Alentejo

486

Regiões tipicamente mais frias estão a ser afetadas por uma onda de calor. No mês de junho, a Sibéria chegou a registar 40º, um valor muito parecido ao mais alto que se registou em Portugal: 40,9º.

Getty Images

A onda de calor que se instalou na zona do Ártico no mês de junho fez com que se registassem temperaturas atípicas naquela região. Na Sibéria, por exemplo, a temperatura média esteve quase 10 graus acima do normal, o recorde em mais de um século, de acordo com o Centro Hidrometeorológico da Rússia.

A temperatura máxima que se registou rondou os 40 graus, um valor que coloca aquela zona do globo a competir diretamente… com o Alentejo. De acordo o Boletim Climatológico de junho do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o valor mais alto atingido no mês passado foi 40,9º, em Coruche, no dia 18.

Aliás, o que se registou na Sibéria é até superior à média da temperatura máxima registada durante o mês em Portugal — 25,7º — e ao valor médio do dia mais quente, precisamente 18 de junho — 34,6º.

Também o relatório do mês de junho da Organização Mundial de Meteorologia mostra que as regiões tipicamente mais frias estão a ser afetadas por uma onda de calor: na Lapónia chegou-se aos 33º e em Helsínquia, capital da Finlândia, os termómetros ultrapassaram os 30º. De resto, a Suécia é um dos países que está a ser mais afetado, com mais de 50 incêndios ativos.

O país já pediu mesmo ajuda à União Europeia, através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil. Em Upsalla, a 70 quilómetros a norte de Estocolmo, foram registadas temperaturas recorde, superiores a 33 graus.

Em declarações ao El País, o meteorologista norte-americano Nicholas Humphrey diz que estes fenómenos estão relacionados com as alterações climáticas: “Nenhum evento em si é causado pelas alterações climáticas, mas o aumento de eventos meteorológicos extremos e mais frequentes são um sinal. Esta onda encaixa-se no cenário provocado pelo aquecimento abrupto do Ártico desde os anos 80″.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)