Alterações Climáticas

Onda de calor. Sibéria com temperaturas tão altas como no Alentejo

486

Regiões tipicamente mais frias estão a ser afetadas por uma onda de calor. No mês de junho, a Sibéria chegou a registar 40º, um valor muito parecido ao mais alto que se registou em Portugal: 40,9º.

Getty Images

A onda de calor que se instalou na zona do Ártico no mês de junho fez com que se registassem temperaturas atípicas naquela região. Na Sibéria, por exemplo, a temperatura média esteve quase 10 graus acima do normal, o recorde em mais de um século, de acordo com o Centro Hidrometeorológico da Rússia.

A temperatura máxima que se registou rondou os 40 graus, um valor que coloca aquela zona do globo a competir diretamente… com o Alentejo. De acordo o Boletim Climatológico de junho do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o valor mais alto atingido no mês passado foi 40,9º, em Coruche, no dia 18.

Aliás, o que se registou na Sibéria é até superior à média da temperatura máxima registada durante o mês em Portugal — 25,7º — e ao valor médio do dia mais quente, precisamente 18 de junho — 34,6º.

Também o relatório do mês de junho da Organização Mundial de Meteorologia mostra que as regiões tipicamente mais frias estão a ser afetadas por uma onda de calor: na Lapónia chegou-se aos 33º e em Helsínquia, capital da Finlândia, os termómetros ultrapassaram os 30º. De resto, a Suécia é um dos países que está a ser mais afetado, com mais de 50 incêndios ativos.

O país já pediu mesmo ajuda à União Europeia, através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil. Em Upsalla, a 70 quilómetros a norte de Estocolmo, foram registadas temperaturas recorde, superiores a 33 graus.

Em declarações ao El País, o meteorologista norte-americano Nicholas Humphrey diz que estes fenómenos estão relacionados com as alterações climáticas: “Nenhum evento em si é causado pelas alterações climáticas, mas o aumento de eventos meteorológicos extremos e mais frequentes são um sinal. Esta onda encaixa-se no cenário provocado pelo aquecimento abrupto do Ártico desde os anos 80″.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O caminho para lado nenhum /premium

Rui Ramos

O sucesso de António Costa reflecte a capacidade de que a oligarquia política continua a dispor, numa sociedade envelhecida e dependente, de fazer pagar por todos o que só beneficia alguns. 

Assalto em Tancos

Tancos: é ainda pior do que parece

Bruno Cardoso Reis

Se é certo que em Portugal as Forças Armadas sempre serviram para bem mais do que fazer a guerra, hoje em dia essas outras tarefas são cada vez mais numerosas e cada vez mais vitais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)