Rádio Observador

Grécia

Onze anos depois, a tragédia da Grécia repete-se. Mas já é mais mortífera

110

Onze anos depois, a Grécia volta a viver o pesadelo dos incêndios. O fogo perto de Atenas já fez mais mortos que os de agosto de 2007. Nessa altura, o inferno começou numa torre de eletricidade.

Getty Images

Entre finais de junho e inícios de setembro de 2007, uma série de incêndios alimentada por uma onda de calor e vento (e nascida de mão criminosa) matou 84 pessoas e queimou 2.711 quilómetros quadrados de área florestal, campos agrícolas e olivais na Grécia. Há 50 anos que o país não registava tantos incêndios nem tão mortíferos. Passados onze anos, a catástrofe regressou ao país: dezenas de pessoas morreram e centenas ficaram feridas pelas chamas que alastram de Atenas até ao mar desde segunda-feira. Só em 24 horas já morreram mais pessoas do que as vítimas mortais de todos os incêndios de agosto de 2007.

Há onze anos o primeiro de todos os incêndios deflagrou a 28 de junho de 2007 por causa de uma avaria numa torre de eletricidade junto ao Parque Nacional de Parnitha, uma montanha com uma floresta muito densa no norte de Atenas. O fogo dizimou quase 64 quilómetros de floresta e perto de 154 quilómetros quadrados ao longo de toda a montanha, fazendo deste incêndio o mais devastador da península de Ática desde 1995. As consequências foram tão graves que Atenas ficou debaixo de um microclima que a tornou muito mais quente do que seria normal. Nove pessoas morreram só em junho com este incêndio. Mas o pior ainda estava para vir.

No mês seguinte, em julho de 2007, cinco pessoas morreram noutro incêndio que começou num depósito de lixo perto de Agia Paraskevi, Skiathos, e que se alastrou por toda a ilha, obrigando à evacuação de todos os edifícios. Entre 11 de julho e 15 de julho registaram-se mais de 100 incêndios em cidades como Creta, Lesbos, Samos ou Peloponeso. Nesta última, um fogo na montanha junto a Aigio a 20 de julho foi empurrado pelo vento até à cidade e destruiu 230 casas e 10 igrejas. Suspeita-se que esses fogos tenham sido provocados por um agricultor de 26 anos e por uma mulher de 77. Ele foi preso depois de ter confessado o crime.

Se até então os fogos se tinham mantido longe de Atenas, em agosto as chamas chegaram às vizinhanças da capital grega. A 17 de agosto, um incêndio com origem no monte Penteli começou a ameaçar os subúrbios atenienses e obrigou à atuação de 60 carros de bombeiros, 19 meios aéreos de combate ao fogo e de centenas de bombeiros. Uma semana depois, os bombeiros encontraram 30 pessoas mortas dentro de carros que tinham usado para tentar fugir a um incêndio em Zacharo. Outras seis foram encontradas mortas em  Areopoli. Só os incêndios de 24 de agosto vitimaram 67 pessoas.

O mês de agosto foi o pior em termos de incêndios na catástrofe de 2007. Apenas um dia depois, 20 incêndios — alguns dos quais com origem em garrafas de gasolina — deflagraram no Monte Hymettus e nas vizinhanças de Filothei em Atenas, em Keratea e em Markopoulo Mesogaias. Em Keratea as chamas estenderam-se ao longo de 12 quilómetros. Depois, a 26 de agosto, outro incêndio ameaçou as ruínas de Olímpia, que contudo acabaram por ser poupadas. Só as árvores no cimo dos montes é que foram queimadas.

Os incêndios continuaram até 3 de setembro, mês em que quatro pessoas morreram à conta dos fogos.

Nas contas finais, de 28 de junho até 3 de setembro, 84 pessoas morreram na Grécia por causa das chamas. Na altura, Portugal ajudou com  Canadair CL-215 e o envio de seis militares para a Grécia. Agora, Portugal disponibilizou-se para enviar 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia, anunciou o ministro da Administração Interna.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Incêndios

Verões de fogo /premium

Manuel Villaverde Cabral
116

A descrição dos incêndios na Grécia é em tudo idêntica à dos que ocorreram em Portugal há dois anos, mas aqui morreram ainda mais pessoas. Lá o Syriza perdeu as eleições, aqui o PS vai ganhá-las...

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)