Numa nota de imprensa divulgada esta quinta-feira, o Ministério acrescenta que os despachos que abrem concurso para os novos médicos serão esta quinta-feira publicados em Diário da República.

Para os hospitais vão abrir 839 vagas, para a medicina geral e familiar estão destinadas 378 vagas e há 17 para a área da saúde pública. O Ministério da Saúde destaca que as vagas a abrir nesta primeira fase “representam o maior número dos últimos anos”.

A distribuição de vagas teve como base um conjunto de critérios que consideram as necessidades de cada instituição do SNS, com especial enfoque nas regiões do interior e Algarve”, acrescenta a nota.

A abertura de vagas para medicina geral e familiar vai permitir que sejam atribuídos médicos de família a mais 500 mil portugueses.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/medicos-em-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”239″ slug=”medicos-em-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/medicos-em-portugal/thumbnail?version=1525275035946&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Nos últimos dias, várias estruturas médicas tinham contestado a contratação de médicos aposentados para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) antes da abertura dos concursos para os recém-especialistas que concluíram há meses a sua formação.

Ordem dos Médicos, Sindicato Independente dos Médicos, Federação Nacional dos Médicos e Associação das Unidades de Saúde Familiar exigiam que a contratação de médicos aposentados só fosse feita após a colocação dos mais de mil médicos recém-especialistas que concluíram a sua formação especializada há mais de três meses.