Depois de na passada semana a chefe do Tribunal de Madrid ter revelado que não existiam provas documentais de que Pablo Casado, novo líder do Partido Popular (PP), tivesse concluído quatro cadeiras do mestrado que frequentou, a Universidade Rey Juan Carlos anunciou agora que encontrou surpreendentemente uma “caixa de documentação” sobre o mestrado do político.

De acordo com o ABC, os documentos foram encontrados no Instituto de Direito Público e não na Vice-reitoria de Mestrados, o organismo que está a colaborar com a investigação interna da universidade. Carmen Rodríguez Medel, chefe do Tribunal de Madrid, pediu agora que a caixa de documentação seja entregue à equipa que está a investigar as licenciaturas e mestrados de Pablo Casado.

Ainda assim, a universidade não revela se os documentos encontrados provam que o novo líder do PP concluiu as quatro unidades curriculares em causa: não se sabe que tipo de documentação é, de onde vem nem o que prova.

Pablo Casado concluiu o mestrado em Direito Público no ano letivo de 2008/2009. Na semana passada, a Universidade Rey Juan Carlos informou a juíza Carmen Rodríguez Medel de que “não consta” que o novo líder do PP tenha apresentado os trabalhos que lhe deram o mestrado. Isto é, não há quaisquer documentos, “mails ou outro tipo de comunicação” que comprovem a entrega dos trabalhos das respetivas cadeiras.

Não há provas de que o novo líder do PP tenha concluído quatro cadeiras do mestrado

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A juíza pediu então ao diretor do mestrado, Enrique Álvarez Conde, e à professora Alicia López de los Mozos, também responsável pelo curso, que “se conservaram [os trabalhos], contribuam” para a investigação. Ou seja, que mostrem provas de que foram realmente entregues.

O novo líder do PP, eleito durante este mês de junho, está a ser investigado por alegados crimes de flsificação de documentos, prevaricação administrativa e suborno. As suspeitas sobre a sua carreira académica já eram conhecidas quando foi escolhido para liderar o partido. Pablo Casado, devido ao cargo que desempenha, não será julgado pelo tribunal de primeira instância, mas sim pelo Supremo Tribunal.

Pablo Casado. O líder jovem e conservador que está à frente do Partido Popular