Espanha

Desemprego em Espanha baixa em julho para 3,13 milhões de pessoas

O número de desempregados em Espanha registados nos centros dos Serviços Públicos de Emprego baixou em 27.141 pessoas em julho, fixando-se em 3,13 milhões de desempregados no total.

J.J.Guillen/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O número de desempregados em Espanha registados nos centros dos Serviços Públicos de Emprego baixou em 27.141 pessoas em julho, fixando-se em 3,13 milhões de desempregados no total, o valor mais baixo desde dezembro de 2008. De acordo com os dados publicados esta quinta-feira pelo Ministério do Trabalho, Migrações e Segurança Social, o desemprego conheceu uma redução de 200.903 pessoas em relação a julho de 2017.

Os dados que não levam em conta diferenças de calendário indicam que o número de pessoas desempregadas caiu 12.183 durante o mês de julho. O desemprego diminuiu entre as pessoas que trabalham em todos os setores económicos, mas principalmente no setor dos serviços (menos 16.179), mas também na indústria (4.172), construção (2.650) e agricultura (571) enquanto que saíram das listas de desemprego outras 3.569 pessoas.

Dos 27.141 desempregados, 15.773 são homens e 11.368 mulheres, registando-se uma diminuição do desemprego masculino (1.28 milhões de pessoas) e feminino (1.85 milhões de pessoas). Por idades, o desemprego de jovens menores de 25 anos reduziu 2.523 pessoas, enquanto que se registou uma baixa de 24.618 pessoas com idades superiores aos 25 anos.

Entre os estrangeiros, o desemprego diminuiu até 371.171 (menos 8.704 pessoas). O número total de contratos registados durante o mês de julho foi de 2.086.655, mais 8,2% do que em 2017. Desse total, 1.896.504 foram trabalhadores temporários e 190.151 tiveram contratos com caráter indefinido (9,1% do total), o que supõe um aumento de 25% da contratação fixa em relação a julho de 2017.

Dos contratos fixos, 11.954 foram a tempo completo (mais 23,8%) e 52.068 a tempo parcial (mais 16,46%). Por outro lado, a cobertura do sistema de proteção por desemprego durante o mês de junho foi de 57,5 %, o que supõe que há 42,5% de pessoas sem trabalho que não recebe prestações, sendo que em 2017 o valor situava-se nos 44,4 %.

De acordo com os dados os beneficiários espanhóis das prestações por desemprego existentes no final do mês era de 1.714.146, registando uma descida em relação ao mesmo período do ano anterior que se situou nos 2,9 %. Do total de beneficiários de prestações por desemprego, 698.073 recebiam subsídio, 697.449 prestação contributiva, 170.028 renda ativa de inserção, 106.352 subsídio de trabalhadores eventuais agrícolas e 42.244 beneficiavam do programa de ativação para o emprego (PAE).

O gasto total em prestações (junho de 2018) desceu para 1.318.8 milhões de euros, o que representa 0,5% menos do que no mês anterior. O gasto médio mensal por beneficiário, em incluir o subsídio agrícola na Andaluzia e na Extremadura, foi de 790.6 euros, o que supõe um aumento de 19 euros em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Em relação ao total de beneficiários de prestações por desemprego, os estrangeiros representam 10%. O número total de pedidos de prestações a nível nacional registados no mês de junho foi de 564.217, representando 5% menos do que no mesmo mês em 2017.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)