Política

Novo partido de Santana Lopes poderá desviar votos do CDS, do PSD e do Bloco de Esquerda

1.266

Sondagem da Aximage para o Negócios - feita ainda antes da saída oficial de Pedro Santana Lopes do PSD - indica que um em quatro eleitores do Bloco não rejeita votar num novo partido liberal.

HUGO DELGADO/LUSA

O novo partido anunciado por Pedro Santana Lopes, de cariz liberal – como confirmou o próprio ao Observador – poderá “tirar eleitores ao PSD, mas também ao CDS e ao Bloco de Esquerda”, indica uma sondagem da Aximage para o económico Jornal de Negócios.

De acordo com o trabalho da Aximage, conduzido em meados do mês de julho e divulgada hoje na edição online do Negócios, um em cada quatro inquiridos (24,4%) não rejeita a possibilidade de votar na nova formação de Santana Lopes se este se apresentar a votos nas legislativas de 2019.

Numa análise mais fina, e como seria de esperar, o novo projeto político do ex-primeiro-ministro parece seduzir, principalmente, o eleitorado de direita: 37,5% dos votantes do CDS inquiridos pela Aximage admitem apoiar o novo partido de Santana Lopes (que ainda não tem nome definido).

É certo que a sondagem foi feita ainda antes de Santana Lopes ter anunciado oficialmente a sua saída do PSD (através de uma carta aberta aos militantes que o Observador divulgou), mas o trabalho foi conduzido já (duas semanas) depois de o antigo provedor da Santa Casa ter dito – numa entrevista à Visão – que “a sua intervenção política” no PSD tinha chegado ao fim.

Mesmo assim, 27,8% dos eleitores “laranja” mostraram-se disponíveis para acompanhar Santana Lopes na nova formação.

Mais surpreendente é a capacidade de captação num dos partidos à esquerda do PS: o Bloco de Esquerda. A fazer fé nos números da Aximage, um quarto dos eleitores do Bloco (25,1%) admite mudar o sentido de voto para o ex-primeiro-ministro social-democrata. Já no outro “braço” que apoia a “geringonça” – o PCP – Santana Lopes não convence: apenas 3,8% dos comunistas (CDU, que engloba PCP e PEV) inquiridos pela Aximage admitem dar-lhe o voto.

Por último, entre os eleitores do PS só 13,8% admitem a possibilidade de votar na nova formação de Pedro Santana Lopes.

Uma sondagem recente para a SIC/Expresso revelou que há 4,8% de portugueses que votariam no novo partido de Santana Lopes e outros 15,2% que não excluem determinantemente essa hipótese. Mas a sondagem da Aximage faz outro tipo de pergunta, no sentido de aferir quantos inquiridos disseram que votariam de certeza no partido de Pedro Santana Lopes. E a resposta é 1,9%, o suficiente para que o ex-presidente da Câmara de Lisboa (e da Figueira da Foz) se elegesse, pelo menos a si, para o parlamento, como nota o Negócios.

A sondagem da Aximage foi feita a partir de uma amostra de 600 entrevistas telefónicas, feitas entre 13 e 16 de julho. A taxa de resposta foi de 75,6%. A “margem de erro” (a 95%) é de 4,00%.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
1.473

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida
120

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)