Venezuela

Venezuela. Serviços secretos analisam câmaras de segurança e lista de hóspedes do Hotel Pestana Caracas

Serviços secretos venezuelanos continuam a restringir o acesso ao Hotel Pestana Caracas. Analisam agora a lista de hóspedes e os vídeos das câmaras de segurança para apurar alegado atentado a Maduro.

Getty Images

Autores
  • Mariana Béu
  • Agência Lusa

Continuam as diligências para tentar apurar as circunstâncias em que ocorreu o alegado atentado a Nicolás Maduro, no passado sábado. Segundo noticia o Expresso, funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (SEBIN, serviços secretos) ainda estão a restringir o acesso ao Hotel Pestana Caracas, ao mesmo tempo que analisam a lista dos hóspedes e câmaras de segurança da unidade hoteleira.

Esta segunda-feira, o hotel, propriedade de empresários portugueses, foi mandado evacuar pelos serviços secretos. Fontes não oficiais deram conta de que a ação estava relacionada com a investigação do alegado atentado ao presidente venezuelano. Funcionários do hotel dão agora conta das novas diligências: a análise aos vídeos de segurança, assim como da listagem dos clientes do hotel.

Depois de o espaço ter sido evacuado, os hóspedes foram realojados no Hotel Embassy Suites. Recorde-se ainda que o Hotel Pestana Caracas foi inaugurado em 2008, durante a visita do então primeiro ministro português, José Sócrates, à capital venezuelana.

No sábado, duas explosões que as autoridades dizem ter sido provocadas por dois drones (aviões não tripulados) obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O ato, que decorria na Avenida Bolívar de Caracas (centro), estava a ser transmitido em simultâneo pelas rádios e televisões venezuelanas. Uma das explosões ouviu-se no momento em que Nicolás Maduro anunciou que tinha chegado a hora da recuperação económica.

Sete militares ficaram feridos e, segundo as autoridades, foram entretanto detidas seis pessoas por suspeita de envolvimento no atentado.

“Não há informação sobre portugueses investigados”

O ministro de Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, disse à agência Lusa que não há nenhuma informação sobre cidadãos portugueses investigados pelo atentado do último sábado contra o Presidente venezuelano Nicolás Maduro.

Santos Silva confirmou que agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência da Venezuela (SEBIN) entraram nas instalações do Hotel Pestana Caracas na madrugada de segunda-feira para realizar investigações “relacionadas com os acontecimentos que ocorreram na semana passada”, quando Maduro foi forçado a abandonar uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) após ocorrerem duas explosões.

“Não temos nenhuma informação sobre nenhum cidadão português ou luso-venezuelano envolvido, ou seja, objeto da investigação”, disse Santos Silva. O chefe da diplomacia portuguesa afirmou ainda que as investigações do serviço de informações venezuelano continuam nesta terça-feira no Hotel Pestana Caracas, propriedade de portugueses, e que a gerência do estabelecimento “tem prestado colaboração com as autoridades” para facilitar o trabalho de investigação.

“O embaixador de Portugal em Caracas e, através dele, eu próprio, estamos a acompanhar para ter o máximo de informação possível para agir em defesa dos interesses portugueses e da comunidade portuguesa, se for necessário”, disse Santos Silva, cujo gabinete em Portugal está encarregado de manter contacto frequente com o Grupo Pestana.

O ministro Augusto Santos Silva está em Bogotá, Colômbia, em representação de Portugal na cerimónia de posse do Presidente Iván Duque, que esta tarde assume o cargo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)