Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Para todos aqueles que durante o Verão foram defendendo uma pacificação do futebol português, a temporada até nem começou da melhor forma no fim de semana com a Supertaça, onde lá voltaram os habituais duelos via Twitter entre FC Porto e Benfica tendo como tema central alguns lances e casos polémicos. Ainda assim, e menos de uma semana depois de Varandas Fernandes, vice dos encarnados, ter deixado seis perguntas e um desafio à Federação e à Liga (e ao Tribunal Arbitral do Desporto), Luís Filipe Vieira, líder das águias, viu a receção ao Fenerbahçe, a contar para a terceira pré-eliminatória da Champions, na tribuna ladeado por Fernando Gomes e Pedro Proença, presidentes de dois dos órgãos que estiveram mais em foco nessa conferência.

As seis questões e o desafio que o Benfica lançou à Federação, à Liga e ao TAD para responderem antes do início do campeonato

O Benfica venceu, jogou mais do que suficiente até para sair com outra vantagem, mas foi inevitável esquecer aquela que foi a grande ausência no conjunto de Rui Vitória esta noite: Jonas, a grande referência ofensiva dos encarnados nas últimas quatro épocas que ficou de fora do encontro com os turcos mas que pode não estar fora da equipa para esta temporada.

“O que dizer deste ruído em torno de Jonas? Isso mesmo, disse a palavra certa: ruído. O Jonas é um jogador que tem mais um ano de contrato, estamos bastante satisfeitos com ele, a equipa técnica também e a massa associativa deve concordar que é um dos melhores do Benfica nos últimos 20 ou 30 anos. Por isso, queremos que se mantenha connosco e estamos disponíveis para renovar”, atirou Luís Filipe Vieira em declarações à BTV, prosseguindo: “Não tenho interesse que saia nenhum jogador. Essa pergunta deve ser feita a ele. Tem mais um ano contrato e queremos renovar, não quero agora aumentar o ruído à volta disso. Há muita especulação à volta desse tema, alguma dúvida é falar com ele”.

Jonas de saída do Benfica rumo à Arábia Saudita

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Numa perspetiva mais geral, o presidente do Benfica admitiu que a base do plantel para a nova temporada está montada ciente de que poderão ainda existir algumas alterações até ao final de agosto. “O plantel está consolidado mas ainda podem existir algumas alterações. Mas não temos intenção de vender qualquer jogador”, explicou antes de definir apenas numa frase os objetivos para esta época que teve esta noite início em termos oficiais: “Ganhar todas as provas em que vamos entrar”.

Sobre o encontro diante do Fenerbahçe, Vieira referiu que, “mais do que ter sido bem ou mal jogado, o mais importante foi ganhar”. Já Rui Vitória destacou que o rendimento da equipa sobretudo na segunda parte “merecia” uma vantagem maior.

“É um resultado que peca por escasso. Fomos a equipa que procurou mais o golo, num jogo entre duas equipas que tinham dois objetivos diferentes: eles queriam perder por poucos ou empatar o jogo, nós fizemos uma exibição em crescendo, com uma segunda parte de bom nível. Estamos a jogar uma terceira pré-eliminatória da Champions mas estas são duas equipas de Liga dos Campeões, o Fenerbahçe é uma boa equipa que se defendeu como pôde passando apenas duas ou três vezes do meio-campo sem criar perigo. Tivemos oportunidades para fazer mais golos mas não sofrer neste tipo de jogos também é importantíssimo. Os jogadores tiveram um desempenho que me agradou”, resumiu o técnico encarnado no final do encontro.

Havia uma cábula para passar o primeiro teste sem o melhor aluno (a crónica do Benfica-Fenerbahçe)