Rádio Observador

Mário Centeno

“Lamentável”, “ridículo” e “insultuoso”. Vídeo de Centeno incomodou partidos da geringonça

1.431

João Galamba diz que vídeo de Centeno sobre fim do resgate à Grécia é "lamentável". Mariana Mortágua diz que discurso é "perigoso". Já Ascenso Simões ataca Galamba com "cheiro Syriza pré-histórico".

O socialista João Galamba é uma das vozes críticas à postura de Mário Centeno sobre o fim do resgate grego

TIAGO PETINGA/LUSA

Mário Centeno, presidente do Eurogrupo, apareceu esta segunda-feira num vídeo institucional a congratular a Grécia por, quase dez anos depois, ter saído do programa de resgate da troika. E em Portugal, ninguém — da esquerda à direita — gostou de ver o ministro das Finanças a dar a cara pelo sucesso das políticas de austeridade carimbadas por Bruxelas.

Depois de Varoufakis, a maior voz crítica surgiu precisamente do lado do PS, pelo deputado socialista João Galamba. “Um vídeo lamentável que apaga o desastre que foi o programa de ajustamento grego e branqueia todo o comportamento das instituições europeias“, escreveu o deputado e antigo porta-voz do PS na sua conta de Twitter. Uma reação que suscitou muitos aplausos naquela rede social, incluindo por parte de dirigentes do Bloco de Esquerda, que não gostaram de ouvir o ministro das Finanças português defender a receita de austeridade aplicada por Bruxelas.

O ataque feroz de João Galamba incide sobre o vídeo que Mário Centeno, na condição de presidente do Eurogrupo, divulgou esta segunda-feira na mesma rede social, junto com mais mensagens, a saudar o fim da assistência financeira na Grécia e o regresso do país ao estatuto de pleno membro da União Europeia sem mais restrições.

Se o comentário de João Galamba foi, por um lado, aplaudido por várias personalidades, incluindo os bloquistas José Gusmão ou Fabian Figueiredo, também foi criticado duramente por parte de outros socialistas. Foi o caso do deputado Ascenso Simões, que saiu em defesa de Mário Centeno no Facebook, e que partiu ao ataque ao colega de bancada, que acusa de “radicalismo barato”. “Pensei que João Galamba já tinha esgotado as duas doses de radicalismo barato. Enganei-me! Bem, estamos na época estival e até um cheiro Syriza pré-histórico fica bem no bronzeado burguês de Galamba”, lê-se.

BE junta-se às críticas, PCP não toca no nome de Centeno mas critica “embuste”

A verdade é que a “geringonça” não gostou das declarações do ministro das Finanças. José Gusmão, do Bloco de Esquerda, não foi nada subtil nos comentários às mensagens de Mário Centeno. “Um vídeo ridículo”, “insultuoso para os gregos” e “esclarecedor para os portugueses“, escreveu o bloquista num tweet.

Mariana Mortágua, a porta-voz bloquista para os assuntos financeiros, afirmou em declarações ao jornal Público que o que as palavras do ministro das Finanças em relação à saída da Grécia do programa de ajustamento são “perigosas” e revelam que há uma necessidade de se analisar criticamente as políticas da União Europeia. “É perigoso para o futuro de Portugal e da Europa porque ter um presidente do Eurogrupo que considera que a culpa da crise é dos gregos e não das políticas europeias, é sinal que está disposto a manter [a linha de rumo] das instituições europeias e as políticas de chantagem”, diz a deputada em declarações aquele jornal.

“Não somos todos Centeno”, acrescenta a também deputada Joana Mortágua, que sugere ironicamente que “mais valia pôr as legendas em alemão”.

Instado a comentar as declarações de Mário Centeno sobre a saída da Grécia do programa de ajustamento financeiro da troika, fonte oficial do PCP preferiu criticar aquilo a que chama de “pactos de agressão contra Estados e povos” mascarados de planos de assistência financeira, deixando Mário Centeno de fora. “A propalada ‘saída’ dos países, seja apontada como ‘limpa’ ou não, é um embuste como a experiência do nosso país mostra. As limitações à soberania que decorrem da ‘vigilância’ a que se mantém submetido pelo FMI e a UE, e sobretudo a submissão às imposições orçamentais que impedem o desenvolvimento do país, e a resposta aos problemas nacionais comprovam-no”, lê-se na declaração dos comunistas.

PSD e CDS atacam as “duas faces” de Centeno

Críticas a que se juntam as reações da oposição. Do lado do PSD, é o caso de Miguel Morgado, que acusa o presidente do Eurogrupo de ter “duas faces“: “passou 3 anos a apoucar a saída limpa portuguesa de 2014” e agora “desfaz-se em palavras doces para um país que sai devorado por problemas após 8 anos de bailout”, escreveu o deputado social-democrata.

Ou o caso de Duarte Marques, deputado social-democrata, que evidencia as contradições entre o que Centeno e Costa diziam da austeridade aplicada em Portugal entre 2011 e 2015 e o que dizem agora da austeridade aplicada na Grécia no mesmo período até ao dia de hoje. A primeira, segundo o deputado social-democrata, foi “desnecessária e imposta pelo governo PSD/CDS”, e a segunda foi “um programa de reformas estruturais bem conseguido, coordenado mas não imposto por Bruxelas, e mais eficaz”.

Do lado do CDS, a palavra-chave é “incoerência”. “É impossível achar que é a mesma pessoa quando fala no Parlamento português e na Europa”, considerou em declarações ao Expresso o porta-voz dos centristas, João Almeida. “A execução do programa foi muito mais bem sucedida em Portugal, e isso não ser reconhecido é completamente incoerente. Assinalamos a incoerência e o prejuízo que esta atitude traz ao debate”, diz ainda João Almeida.

“Tanta ironia neste vídeo”, escreve correspondente do Wall Street Journal

As redes sociais estão a ser inundadas com os mais diversos comentários ao discurso de Mário Centeno, mesmo a nível internacional. Uma das reações é assinada por uma correspondente do Wall Street Journal, Patricia Kowsmann, que encontra muita “ironia” no vídeo protagonizado pelo presidente do Eurogrupo. A jornalista, que já trabalhou a partir de Lisboa, Londres, Singapura e Washington, recorda que “o ministro das Finanças de um governo que criticou ferozmente a troika e denunciou a austeridade, pelo menos no papel, fala agora sobre os benefícios de tudo isso. E de como a Grécia pode inverter a sua marcha”. escreveu num tweet.

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo está a ser o alvo dos ataques de várias frentes desde o início desta segunda-feira, dia que marca o fim dos programas de assistência à Grécia. Para assinalar a data, Centeno apontou que, ao fim de oito ano, o país “reconquistou o controlo pelo qual lutou”, mas advertindo que tal também acarreta “responsabilidade” acrescida. Em várias mensagens publicadas na sua conta na rede social Twitter, e também no sítio de Internet do Conselho da União Europeia, no dia em que a Grécia sai formalmente do seu terceiro programa de ajuda externa, Centeno começa por sublinhar que “hoje é um dia especial para a Grécia”, pois chega ao fim “um trajeto longo e sinuoso”.

Uma das primeiras críticas públicas a estas declarações e ao posicionamento do governante português partiu do ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, que acusou o vídeo de Centeno de parecer “máquina de propaganda norte-coreana”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)