Rádio Observador

Canal da Mancha

“Guerra das vieiras”: pescadores franceses e britânicos em disputa no Canal da Mancha

Os confrontos ocorreram durante a madrugada de terça-feira a 22 quilómetros da costa da Normandia. Os pescadores trocaram insultos, atiraram pedras e chocaram embarcações.

AFP/Getty Images

Pescadores franceses e britânicos envolveram-se em confrontos durante a madrugada de terça-feira na Baía do Sena, a 22 quilómetros da costa da Normandia. Os pescadores trocaram insultos, atiraram pedras e pedaços de metal, lançaram bombas de fumaça e very-lights e fizeram colidir embarcações.

Segundo o jornal francês Le Point, entre 40 e 50 pescadores de vários portos da Normandia concentraram-se em protesto com o objetivo de impedir os britânicos de pescar naquela zona. “Estimamos em 35 as embarcações francesas e em cinco as britânicas“, disse à AFP a tenente-coronel Ingrid Parot, da Prefeitura do Canal [da Mancha] e do Oceanos francesa, que foi chamada a intervir. “Os franceses contactaram os britânicos para os impedir de trabalhar. As embarcações roçaram umas nas outras. Atiraram pedras, mas não há feridos ou danos registados. Os franceses quase que cercaram os britânicos.”

Por outro lado, a France 3 Normandie — que filmou os confrontos — relata que pelo menos três embarcações (duas britânicas e uma francesa) ficaram danificadas. A BBC refere que as duas embarcações britânicas regressaram ao porto de Brixham com janelas partidas.

“Para os britânicos, isto é um bar aberto: eles pescam o que querem, onde querem e tanto quanto querem”, queixa-se Dimitri Rogoff, presidente do Comité Regional das Pescas Marítimas da Normandia. De acordo com o The Guardian, os franceses acusam os britânicos de recorrerem a técnicas de arrastão e usarem embarcações que chegam aos 30 metros — cerca de o dobro das embarcações francesas, que utilizam técnicas mais artesanais.

A Federação Nacional das Organizações de Pescadores da Grã-Bretanha pediu que seja mantida a calma. “Já fizemos chegar o assunto ao governo britânico e pedimos proteção das nossas embarcações, que estão a pescar legitimamente”, afirmou o chefe executivo Barrie Deas. E acrescentou, referindo-se às filmagens que mostram as “embarcações a ser manobradas de forma muito perigosa”: “os problemas mais profundos por detrás dos confrontos devem ser resolvidos à volta da mesa, não no alto mar onde as pessoas se podem magoar”.

Já Mike Park, chefe executivo da Associação Escocesa de Peixe Branco, afirmou que o incidente foi “clara pirataria” e defendeu que os barcos — nomeadamente do barco escocês filmado pela France 3 Normandie a embater em embarcações de menores dimensões — estão no “pleno direito” de estar na área.

As embarcações britânicas têm direito, ao abrigo da lei comunitária, de pescar na região. Contudo, a tensão entre os pescadores dos dois países já se prolonga há quase 15 anos. Nos últimos cinco anos houve entendimentos entre as partes, nomeadamente o acordo que determina que as embarcações britânicas de maiores dimensões ficam fora da região em troca de mais direitos de pesca.

A disputa é agravada pelo facto de os britânicos poderem pescar durante todo o ano, enquanto a época de pesca dos franceses é limitada pela lei ao período de 1 de outubro a 15 de maio. “Não queremos que deixem de pescar, mas podiam esperar por 1 de outubro para que pudéssemos partilhar”, explica Rogoff. “As vieiras são um dos produtos principais da Normandia, um recurso primário e um problema muito sensível”, argumenta Rogoff.

Caso o Reino Unido saia da União Europeia sem conseguir um acordo (hard Brexit’), o assunto fica resolvido por si só. “Depois de 29 de março de 2019, [os britânicos] passam a ser tratados como uma terceira parte e deixam de ter acesso a estas áreas”, sublinha Rogoff. Mas a Fishing Leave — uma organização pró-Brexit — acusa os pescadores franceses de hipocrisia e alega que estes pescaram cerca de 60% do peixe nas águas britânicas ao longo das últimas quatro décadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)