Espanha

Congresso espanhol aprova exumação de Franco

613

O Congresso espanhol aprovou esta quinta-feira a exumação de Francisco Franco do Vale dos Caídos. Família diz que vai lutar contra a decisão. Houve uma ovação para celebrar a aprovação.

Wikimedia Commons

O Congresso espanhol deu luz verde à exumação de Francisco Franco. A maioria absoluta dos deputados (172 votos) aprovou a retirada dos restos mortais do ditador espanhol do Vale dos Caídos. Houve ainda 164 votos contra a exumação e duas abstenções — as do PP e do Ciudadanos. O decreto-lei que o Conselho de Ministros acordou a 24 de agosto foi agora aprovado, já depois de o governo ter notificado a família Franco desta possibilidade. O documento ainda poderá sofrer alterações, mas a validação já garante a exumação de Franco.

A decisão de retirar Francisco Franco do Vale dos Caídos baseia-se no facto de que, nesse local, só podem estar enterradas “as pessoas falecidas por consequência da Guerra Civil espanhola”. Carmen Calvo, vice-presidente do Governo, disse que “era uma anomalia ter um ditador no mausoléu do Estado: “Quem não vê a urgência é quem não vê a necessidade. Quem não vê a forma é quem não vê o fundo. Tiremos este país desta vergonha”, disse.

A validação do decreto foi celebrado no congresso com uma ovação de metade da sala. Ian Gibson, hispanista irlandês conhecido pelas biografias de Antonio Machado, Federico García Lorca e Salvador Dalí, foi um dos convidados para a sessão que aplaudiu a decisão do Congresso. Um dos seus livros, “La represión nacionalista de Granada en 1936 y la muerte de Federico García Lorca” — em português “A repressão nacionalista de Granada em 1936 e a morte de Federico García Lorca” –, foi proibido em Espanha sob o regime de Francisco Franco.

A família de Francisco Franco estava contra a exumação do corpo do militar espanhol. Em agosto, a família Franco fez saber “que vai esgotar todas as possibilidades legais ao seu alcance” para impedir a retirada dos restos mortais do Vale dos Caídos. A declaração foi feita após a modificação da Lei da Memória Histórica de 2007, que dizia que era “urgente e de excecional interesse público a imediata exumação e transferência dos restos mortais” do ditador: “A presença no recinto dos restos mortais de Francisco Franco dificulta o efetivo cumprimento do mandato legal de não exaltação do franquismo e do propósito de prestar homenagem a todas as vítimas do conflito”, conclui.

Se a família de Francisco Franco não declarar um novo sítio para colocar os restos mortais do militar, essa tarefa caberá ao próprio governo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)