Rádio Observador

Mundo

Coreia do Norte e do Sul abrem gabinete para facilitar comunicação

O primeiro gabinete de ligação foi aberto na cidade fronteiriça de Kaesong, na Coreia do Norte. O presidente sul-coreano Moon Jae-in vai visitar a vizinha Coreia durante a próxima semana.

O gabinete fica na cidade fronteiriça de Kaesong

Ministério da Unificação da Coreia do Sul

É mais um passo na reconciliação das duas Coreias: na cidade fronteiriça de Kaesong, na Coreia do Norte, foi recentemente inaugurado o primeiro gabinete de ligação entre os dois países, com o objetivo de facilitar a comunicação. Nunca existiu, na história das duas Coreias, um gabinete deste género.

Na cerimónia de inauguração, Cho Myoung-gyon, ministro da Unificação da Coreia do Sul, descreveu o local como “o berço da prosperidade coreana”. “Vamos sentar-nos frente a frente, trocar ideias rapidamente e com precisão, e trabalhar em conjunto para resolver problemas”, disse ainda. Até agora, a Coreia do Norte e do Sul têm recorrido ao telefone e a equipamentos como o fax para comunicarem, mas estes canais foram várias vezes suspensos durante as últimas décadas, explica a Time.

Ri Son Gwon, presidente do Comité para a Reunificação Pacífica da Coreia do Norte, que também esteve presente na cerimónia, disse que o gabinete vai ajudar as duas Coreias a conversarem e construirem laços mais fortes. De acordo com a Time, este vai ter entre 15 a 20 funcionários sul-coreanos, que vão trabalhar entre as 9h e as 17h e passar a noite num dormitório em Kaesong durante a semana. Nos fins de semana, o trabalho será feito por turnos. O gabinete — que vai ser dirigido pelo vice-ministro da Unificação Chun Hae-sun e por um membro do Comité para a Reunificação Pacífica da Coreia do Norte — vai receber o mesmo número de norte-coreanos. Os dirigentes planeiam reunir-se uma vez por semana.

A abertura do gabinete de ligação acontece pouco antes da visita de Moon Jae-in à Coreia do Norte. O presidente sul-coreano vai visitar o país vizinho durante a próxima semana, pela terceira vez este ano, para discutir a desnuclearização da península com Kim Jong-un. O principal objetivo de Moon — que aterra em Pyongyang na terça-feira, permanecendo no país durante três dias —  é procurar facilitar as conversações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte e aliviar a fortificação da fronteira coreana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)