Rússia

Rússia diz ter provas de que Ucrânia fez cair avião malaio em 2014

A Rússia garante ter provas de que a Ucrânia fez cair o avião da Malaysia Airlines, em maio de 2014, numa região controlada pelos separatistas pró-russos, que matou os seus 298 ocupantes.

RAMINDER PAL SINGH/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Rússia disse, esta segunda-feira, ter provas de que a Ucrânia foi a responsável pela queda do avião da Malaysia Airlines, voo MH17, em 2014, numa região controlada pelos separatistas pró-russos, que matou os seus 298 ocupantes.

“Temos gravações das conversas telefónicas de militares ucranianos feitas em 2016 e a sua análise corrobora as conclusões sobre a implicação direta da parte ucraniana na queda do Boeing malaio”, declarou à imprensa o porta-voz do Ministério da Defesa russo, o general Igor Konashenkov. Adiantou que Kiev é responsável, não apenas pela tragédia, mas também pela “manipulação da investigação internacional”.

A Equipa Conjunta de Investigação formada após o desastre indicou que o sistema de mísseis antiaéreos que derrubou o avião malaio pertencia a uma unidade militar russa, que o deslocou de Kursk (Rússia) para Donetsk (Ucrânia) um mês antes do ataque.

Segundo os militares russos, o míssil com que o avião foi atingido quando sobrevoava o território da Ucrânia foi entregue a Kiev em 1986 e em 2014 estava ao serviço da unidade ucraniana número 223 que participava na operação contra as milícias separatistas no leste do país. A Defesa russa disse que o vídeo da suposta transferência do míssil é “uma montagem animada de uma fotografia”.

Konashenkov declarou-se esperançado de que os investigadores internacionais vão ter em conta as provas apresentadas esta segunda-feira pela Rússia e que “não duvidarão da sua autenticidade”. Toda a informação sobre o alegado envolvimento da Ucrânia na queda do avião será divulgada em breve na página da Internet do Ministério da Defesa da Rússia, segundo os militares russos.

A 17 de julho de 2014, 298 passageiros e tripulantes de um voo da Malaysia Airlines, que fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur, morreram depois de o avião em que viajavam ter sido atingido por um míssil terra-ar disparado da zona leste da Ucrânia controlada por separatistas pró-russos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)