Comboios

CP investiga avaria em Alfa Pendular que podia causar descarrilamento

Um Alfa Pendular que fazia a ligação entre Lisboa e Braga esteve em risco de descarrilamento, revela o Público. Causas estão a ser investigadas, mas falha de manutenção é uma das hipóteses.

AFP/Getty Images

Um Alfa Pendular que fazia o trajeto entre Lisboa e Braga, no passado dia 11 de setembro, com hora de partida de Santa Apolónia às 14h00, acabou por não cumprir a viagem devido a uma avaria que poderia ter resultado num descarrilamento, de acordo com uma notícia avançada pelo jornal Público esta terça-feira.

O incidente aconteceu ao nível dos rodados, que começaram por incandescer, tendo sido necessário interromper a viagem em Campanhã. O que começou com fumo nos rodados podia ter acabado num descarrilamento: o rolamento da caixa de eixos avariou e o veio de transmissão no qual assentam as rodas fundiu, descreve o jornal citando a informação a que teve acesso . Certo foi que os passageiros foram encaminhados para outro comboio e o Alfa recolheu às oficinas de Contumil.

Por enquanto, não se sabe se a causa está em eventuais falhas de manutenção ou em motivos excecionais que não se podem prever, mas a CP e o GPIAAF (Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes Aéreos e Ferroviários) já abriram um inquérito para as apurar. Nas palavras de Pedro Conceição, engenheiro especialista em manutenção ferroviária, que já foi quadro da EMEF, questionado pelo jornal Público, “um rolamento gripar é um fenómeno que pode acontecer a qualquer momento, mesmo quando a manutenção é perfeita e até pode acontecer com rolamentos novos… basta que tenham um defeito de fabrico ou sido sujeitos a mau manuseamento”.

Os sistemas de deteção de caixas quentes que estão colocados ao longo da via férrea e que identificam aumentos de temperatura dos rodados, aquando da passagem dos comboios, poderiam muito bem prever estes incidentes; porém, em Portugal, esses equipamentos estão desativados.

Ao contrário dos comboios mais recentes, o Alfa Pendular que é uma tecnologia dos anos 90, não tem nenhum sistema de detecção de temperatura anómala que permita dar o alerta para um problema deste tipo. Já o material mais recente tem sensores de medição do ABS do comboio que já têm embebidos o sistema de detecção de caixas quentes. Mas os pendulares não”, contou o especialista ao Público.

Fontes da EMEF, que pediram o anonimato, reconhecem que há já vários anos que a logística da empresa não consegue responder às solicitações de peças e que a sua falta é transversal a todas as oficinas da empresa. A EMEF tem 11 oficinas em todo o país, mas a falta de sobressalentes é maior nas oficinas onde se fazem grandes reparações. Além disso, as equipas trabalham sob forte pressão para libertar rapidamente os comboios imobilizados, o que pode levar a decisões erradas como, por exemplo, colocar um rolamento que já ultrapassou o limite expectável de vida.

Questionada sobre que medidas foram tomadas para verificar se havia riscos na restante frota dos pendulares, a CP limitou-se a responder que “o Alfa Pendular é objeto de rigorosa manutenção por parte da EMEF, de acordo com os mais elevados padrões de qualidade, em particular no que diz respeito à segurança da circulação”.

A IP refere ainda que “o sistema de deteção de caixas quentes é complementar/auxiliar de segurança do sistema ferroviário, estando em curso um processo para instalação de novos equipamentos com tecnologia compatível com a realidade actual e que abranja a totalidade da rede ferroviária nacional”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)