Operação Marquês

Juiz Ivo Rosa é o juiz que vai decidir se Sócrates deve ser julgado na Operação Marquês

5.951

O magistrado vai ficar responsável pela fase de instrução do processo, pedida por 19 dos 28 arguidos do caso Sócrates. Sorteio foi testemunhado por advogados e jornalistas.

O ex-primeiro-ministro, José Sócrates, foi acusado de corrupção passiva

PAULO CUNHA/LUSA

Está sorteado. Ivo Rosa será o juiz de instrução que vai decidir se o caso que envolve o ex-primeiro-ministro, José Sócrates, segue ou não para julgamento. Depois de, nos últimos dias, o processo ter sido organizado e enviado pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a distribuição eletrónica foi feita esta tarde de sexta-feira nas instalações do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, na presença de uma dezena de jornalistas e de, apenas, uma advogada.

Na primeira reação, João Araújo, advogado do ex-primeiro-ministro, disse ao Observador que “pela primeira vez” tinha sido escolhido um juiz “de forma legal não pelo Ministério Público”, sublinhando que “não gostava que fosse o Carlos Alexandre pela evidente parcialidade” do magistrado.

Na mesma linha, Tiago Rodrigues Basto, advogado de Armando Vara, que tinha pedido o afastamento do juiz Carlos Alexandre, disse ao Observador que “a questão não era que tinha de ser o juiz Ivo Rosa. Não podia era ser Carlos Alexandre.” No requerimento de abertura de instrução, Vara tinha levantado a suspeita de que o processo não tinha sido corretamente distribuído a Alexandre durante a investigação. Com a escolha de Ivo Rosa, por sorteio, o advogado que representa o ex-ministro diz que “agora temos um juiz que vai aferir o que se passou e se há algum problema para a validade dos atos praticados por Carlos Alexandre”.

A advogada Paula Lourenço, que representa o braço-direito de Sócrates, o empresário Carlos Silva, que também arrasou a investigação no requerimento de abertura de instrução enviado para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Aos jornalistas disse estar “satisfeita” com a escolha, uma vez que até invocou uma série de nulidades relativas a atos de investigação validos por Carlos Alexandre.

Entre os arguidos que pediram abertura de instrução está também Hélder Bataglia. O advogado do empresário luso-angolano recusou fazer comentários sobre a distribuição do processo desta sexta-feira. Ao Observador, Rui Patrício aceitou apenas manifestar “respeito pelo trabalho dos senhores magistrados em geral e do senhor magistrado em causa em particular, tendo testemunhado ao longo dos anos os seus isenção, saber e empenho” à semelhança de outros com quem tem trabalhado.

A defesa de Ricardo Salgado não pediu abertura de instrução precisamente com o argumento de que poderia calhar o juiz Carlos Alexandre, ficando o processo nas mãos do mesmo juiz que validou os atos em investigação. Depois de conhecida a escolha de Ivo Rosa, o advogado Francisco Proença de Carvalho recusou tecer qualquer comentário.

A fase instrutória, uma fase facultativa nos processos-crime, foi pedida por 19 dos 28 arguidos e tem como objetivo levar o processo à apreciação de um juiz de instrução que decidirá se há provas suficientes para uma possível condenação em tribunal. Se o magistrado decidir que o caso não tem pernas para vingar em tribunal, ou seja, para ser aplicada uma pena, pode decidir não pronunciar os arguidos, salvando-os do julgamento. E mesmo os arguidos que não pediram a abertura de instrução poderão beneficiar desta decisão, caso os crimes estejam relacionados e se perceba que sem uns, os outros não vão resultar em pena.

No centro da investigação, que ganhou o nome de “Operação Marquês”, estão mais de 30 milhões de euros que o Ministério Público acredita terem sido reunidos em contas na Suíça pelo amigo de José Sócrates, o empresário Carlos Santos Silva, e que depois foram transferidos para Portugal ao abrigo dos Regimes Excecionais de Regularização Tributária I e II. Já com o dinheiro em território nacional, este terá chegado às mãos do ex-governante das formas mais diversas, fosse através do seu motorista, da ex-mulher, dos livros que publicou ou mesmo de obras de arte, como descreve a extensa acusação. O processo envolve ainda nomes como Armando Vara, Henrique Granadeiro e Ricardo Salgado.

Recorde-se que em fase de inquérito foi o juiz Carlos Alexandre que foi assinando as linhas de investigação propostas pelo Ministério Público, tendo sido ele a determinar que o ex-primeiro-ministro ficasse em prisão preventiva. Os advogados de Sócrates tentaram mais que uma vez afastar o magistrado do centro de decisão do processo, mas nunca o conseguiram fazer.

Das 19 pessoas singulares e nove coletivas (empresas) nenhuma assume que o dinheiro fosse verdadeiramente de José Sócrates e que ele tenha corrompido quem quer que fosse. Caberá ao juiz de instrução olhar para todo o processo, analisar o que os investigadores fizeram e recolher testemunhos. Depois, deverá promover um debate instrutório, uma espécie de mini julgamento, para perceber se o caso deve ou não avançar para a fase de julgamento.

Dada a mediatização do processo, e o facto de o debate instrutório ser público, o juiz Ivo Rosa — a quem calhou presidir à distribuição eletrónica do processo — decidiu acolher os pedidos de advogados e jornalistas para que o sorteio fosse um ato público e testemunhado por quem quisesse. E assim foi. Um caso inédito.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
388

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)