Rádio Observador

Governo

Governo indica deputado do PS para a administração da ERSE

3.013

O deputado socialista Carlos Pereira foi nomeado pelo Governo para integrar a administração da entidade reguladora da energia. A CRESAP deu parecer favorável. Vai receber 10.431,32€ brutos.

JOÃO RELVAS/LUSA

O deputado socialista Carlos Pereira foi nomeado pelo Governo para vogal da administração da Entidade Reguladora do Setor Energético (ERSE). O ex-presidente do PS-Madeira está a cumprir o seu primeiro mandato como deputado na Assembleia da República. É vice-presidente da bancada socialista, integra atualmente o Grupo de Trabalho sobre Energia no Parlamento e é vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito às Rendas Excessivas das energéticas, criada em maio deste ano. Mas a sua experiência na área energética é curta. De acordo com a lei, vai auferir um salário de 10.431,32 euros brutos, o vencimento dos vogais depois do diploma aprovado em 2017.

Carlos Pereira é a terceira nomeação deste Executivo para a administração do regulador da energia. Para além da escolha de Cristina Portugal, que já estava na ERSE, para a presidência, foi também indicada Mariana Pereira Oliveira que era adjunta do gabinete do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

O parlamentar ficou conhecido por ser um dos relatores do documento final sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, um diploma que foi criticado pelo PSD por não ter analisado as mensagens trocadas entre António Domingues e Mário Centeno. “O maior branqueamento de apuramento e escrutínio político da nossa democracia“, apelidou o então líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro.

O cargo para qual foi indicado pelo Governo tem de passar pelo crivo da CReSAP, que deu um parecer favorável à sua nomeação. Dos 12 aspetos analisados, apenas um teve uma avaliação menos positiva: o da “formação profissional”, que inclui, entre outros itens, “a formação profissional específica relacionada com o cargo”. O ex-vereador da Câmara Municipal do Funchal foi, contudo, considerado “adequado” para a nova função. Também os deputados vão ter uma palavra a dizer. Esta nomeação pressupõe uma audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, que vai acontecer esta quarta-feira, dia 10, por volta das 9h30.

O deputado é licenciado em Economia e tem duas pós-graduações: em Economia Rural e em Gestão do Turismo.

CRESAP avaliou Carlos Pereira com “+ ou -” na experiência profissional

Esta não é a primeira vez que um Governo nomeia um deputado para este cargo. Durante o Governo de José Sócrates, Ascenso Simões foi nomeado para o mesmo cargo, onde esteve entre 2010 e 2015. Ascenso já tinha sido consultor da Goldenergy (em 2010, ano da nomeação), administrador da Luzfisa SA (entre 1999 e 2003), uma empresa de instalações elétricas e presidente do Conselho de Administração da Tecprod, SA, uma produtora de energia, entre 2002 e 2004. E ainda não havia CReSAP, a comissão de recrutamento e seleção para a Administração Pública, que tem de dar um parecer favorável à nomeação.

Carlos Pereira tem menos currículo para o cargo que Ascenso, mas, ainda assim, recebeu parecer favorável da CReSAP, que no perfil de competências dá uma avaliação de “+” em todas as categorias, menos na “formação profissional”, em que a nota dada é “+/-“.

De facto, Carlos Pereira está longe de ter um longo currículo na área da energia. Aliás, para além da atividade parlamentar (só é deputado na atual legislatura), a única ligação do seu currículo à energia é como administrador de uma empresa, a Gaiaware, uma unipessoal de consultoria em ambiente e energia.

No currículo enviado à CReSAP, Carlos Pereira apresenta ainda a participação em cinco projetos de resolução na área da energia e em cinco projetos-lei na mesma área. Nos orçamentos do Estado para 2017 e 2018 foi o responsável do grupo parlamentar do PS no grupo de trabalho com o BE para identificar as propostas a incluir no OE nesta área.

Apesar deste curto currículo na área, a CReSAP emitiu um parecer final favorável alegando que Carlos Pereira “tem experiência profissional superior a 20 anos em cargos de gestão privada e cargos políticos como vereador e deputado na Assembleia da República, onde participou em várias comissões relacionadas com este setor, destacando-se a coordenação da elaboração e discussão de diversos diplomas no setor da energia, custos de energia e sustentabilidade”.

Carlos Pereira é ainda vice-presidente da Comissão parlamentar de inquérito às rendas de energia. A experiência que daqui retira também não é muita, uma vez que a comissão foi apenas criada há quatro meses (sendo que o Parlamento esteve um mês sem funcionar).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)