Prisões

Ministra diz que melhorar prisões é essencial para manter dignidade dos reclusos

Ministra da Justiça defendeu que a requalificação dos estabelecimentos prisionais é um objetivo essencial para o Governo, argumentando que os reclusos estão privados de liberdade.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A ministra da Justiça defendeu esta terça-feira que a requalificação dos estabelecimentos prisionais é um objetivo essencial para o Governo, argumentando que os reclusos estão privados de liberdade, mas não de dignidade.

Francisca van Dunem, que inaugurou o recentemente requalificado Pavilhão Infante Santo, no Estabelecimento Prisional de Leiria Jovens, salientou a importância de dotar as cadeias portuguesas de melhores condições.

“Temos a perceção que o bem-estar e a segurança destas pessoas são essenciais e são função do Estado. Estas pessoas estão privadas de liberdade, não estão privadas de dignidade. Não podemos fazer tudo num momento só, mas a nossa lógica é resolver paulatinamente, e com pequenos passos, as dificuldades que temos aos vários níveis”, adiantou a ministra da Justiça.

Recordando o relatório que foi divulgado no final de 2017 sobre o estado dos estabelecimentos prisionais em Portugal, Francisca van Dunem lembrou que a tutela está a requalificar os espaços e irá proceder ao encerramento de outras cadeias.

“É indiscutível que este pavilhão [Infante Santo, em Leiria] observa padrões mínimos de dignidade para quem nele vai habitar”, disse.

Com um investimento total de cerca de um milhão de euros, a requalificação deste pavilhão terá capacidade para 42 reclusos, estando agora as celas dotadas de sanitários.

Francisca Van Dunem, que fez questão de ter alguns reclusos presentes enquanto discursava, afirmou aos jovens: “o vosso passado não me interessa. Interessa-me o vosso futuro. O vosso passado é com o juiz que vos julgou, a nós interessa-nos encontrar convosco caminhos de futuro, de um futuro digno para cada um”.

A ministra, que ouviu os jovens cantarem música lírica para si, referiu que se os reclusos perceberam que o canto foi uma capacidade estimulada, os jovens terão de perceber “que terão outras capacidades e podem fazer outras coisas além daquelas que costumavam fazer”.

“É preciso fazer essa descoberta”, reforçou.

Na mesma cerimónia, foi assinado um protocolo entre a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) e o município de Leiria, que irá receber alguns reclusos em regime aberto para trabalhar em tarefas de apoio logístico, de limpeza e de manutenção de instalações, remunerando-os e capacitando-os profissionalmente para a empregabilidade aquando do seu retorno à vida ativa.

Para Francisca van Dunem, “o encontro no espaço de reclusão, de atividades que lhes permitam [aos reclusos], depois em liberdade, reconstituir a vida, fazendo um caminho diferente, é obviamente importante”.

“E não só é importante como é função primordial do Estado relativamente aos reclusos. Nessa perspetiva precisamos muito de ter o apoio de estruturas externas aos estabelecimentos [prisionais] na envolvente, que sejam capazes de garantir durante o período anterior da entrega dos reclusos à liberdade uma ocupação”, em que se revejam.

O ideal, defendeu é que, uma vez em liberdade, os ex-reclusos possam “continuar aquela profissão ou [trabalhar] naquela específica entidade”.

O diretor geral da DGRSP, Celso Manata, considerou que o protocolo com o município de Leiria, liderado por Raul Castro (PS), “cria uma oportunidade para que quando [os reclusos] saírem, continuem a ser bons cidadãos” e, ao mesmo tempo, “a autarquia dá o exemplo e outras entidades públicas e privadas”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)