Se havia um treinador com razões para estar aborrecido no final do encontro, seria Yuri Semin. Esta Velha Raposa de Leste que até presidente do Lokomotiv Moscovo já foi não só viu a equipa somar mais uma derrota na Champions, afundando-se em erros próprios, como, aquando da primeira substituição, ficou de mão estendida quando Manuel Fernandes passou pelo banco. No entanto, já se sabe como é Sérgio Conceição – quando ganha não vê apenas as coisas boas, quando perde não se centra só nos aspetos maus. E foi por isso que, no final, admitiu que houve algo que o deixou “aborrecido”.

“Foi um jogo em que fomos superiores, não há a menor dúvida sobre isso. De uma ou outra situação defensiva não gostei tanto. Controlámos o jogo, com mais posse de bola, mas cada vez que o adversário recuperava e ia em transição sofríamos um pouco com isso. Numa ou noutra situação, em termos de posicionamento, ou com erros evitáveis, como o que dá o erro do Lokomotiv. Perdoo todo o tipo de erros mas de concentração já fico mais aborrecido. Mas pronto, faz parte do jogo. É de realçar a prestação segura da equipa. Por isso, os jogadores estão de parabéns. Podíamos e devíamos ter feito mais em alguns momentos a nível defensivo. Há situações que temos de evitar, como deixar os laterais constantemente expostos. Vamos falar nessas situações mas no geral foi positivo”, comentou o técnico dos dragões na primeira abordagem ao encontro.

Ivan levou para casa mais recordações além da camisola de Herrera (a crónica do Lokomotiv-FC Porto)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contas feitas, o FC Porto passou a somar sete pontos em três jogos, liderando isolado o grupo D da Liga dos Campeões depois do empate sem golos na Alemanha entre Schalke 04 e Galatasaray. E isso tanto pode ser uma boa como uma “má” notícia: na fase de grupos em 2014, depois de duas vitórias (BATE Borisov, casa, 6-0; Athl. Bilbao, casa, 2-1) e um empate (Shakhtar, fora, 2-2), os azuis e brancos garantiram a passagem aos oitavos com mais dois triunfos (Athl. Bilbao, fora, 2-0; BATE Borisov, fora, 3-0) e uma igualdade (Shakhtar, casa, 1-1); no ano seguinte, também de duas vitórias (Chelsea, casa, 2-1; Maccabi Telavive, casa, 2-0) e um empate (Dínamo Kiev, fora, 2-2),  os dragões ainda conseguiram mais um trunfo (Maccabi Telavive, fora, 3-1) mas perderam com Dínamo Kiev (casa, 2-0) e Chelsea (fora, 2-0), caindo assim para a Liga Europa.

“Lançados para o apuramento? Estamos lançados no avião para voltar… E jogar contra o Feirense, que será muito difícil, que tem organização defensiva muito boa. Este jogo foi importante no sentido do nosso trabalho. Quando aparecer o Lokomotiv outra falaremos da Champions. O equilíbrio entre os três continua, independentemente do que aconteceu hoje. Agora vamos pensar no Feirense para voltarmos às vitórias no Campeonato”, refreou o técnico azul e branco.

Sérgio Conceição explicou ainda a opção por Óliver Torres, na sequência da boa exibição na Taça de Portugal com o Vila Real, destacando a importância das características do médio espanhol para a partida desta noite. “Para este jogo era necessário um jogador com as características dele, era preciso ter qualidade no meio-campo para gerir a posse de bola. O Óliver tem essas características e esse foi um dos motivos para optar por ele, sabendo que ia jogar com Marega e Corona na frente para aproveitar esses passes nas costas da defesa. No início foi um pouco mais difícil porque o Lokomotiv baixou o seu bloco, mas depois melhorou. Não foi uma questão de ser o joker“, explicou.