Videojogos

“GT Sport” quer assumir o seu papel no mercado dos eSports

A Final Europeia de "GT Sport" teve lugar em Madrid, com um português a apurar-se para a final Mundial. Falámos com o criador da série, o histórico designer japonês Kazunori Yamauchi.

Kazunori Yamauchi, o histórico criador da série "Gran Turismo" esteve presente em Madrid para assistir à Final Europeia.

O mercado dos eSports já é tão inquestionável que quase todas as grandes empresas de videojogos estão a segmentar alguns dos seus produtos para este fenómeno. A Sony PlayStation, com o seu domínio do mercado doméstico de consolas, não é exceção.

Com o lançamento, há alguns meses, da nova iteração da famosa série Gran Turismo, a PlayStation encontrou o seu candidato natural para “abraçar” o mercado altamente competitivo do desporto eletrónico. Depois de meses de apuramentos, a Final Europeia da Nations Cup dos FIA Gran Turismo Championships 2018, teve lugar na Madrid Games Week. Fomos convidados pela PlayStation Portugal para assistir ao vivo.

A primeira novidade deste campeonato, e que serve de “selo de qualidade” da Fédération Internationale de l’Automobile (FIA), é o facto de o vencedor do Mundial (cujo local e data ainda estão por revelar) ter a possibilidade de participar no evento de FIA Awards, que premeia os melhores atletas do desporto automobilístico.

De entre os muitos concorrentes, seria o alemão Mikail Hizal a sagrar-se campeão europeu e a ficar imediatamente apurado para o Mundial, acompanhado de mais nove jogadores do qual destacamos a presença do português Carlos Salazar, em 6º lugar, o melhor classificado dos jogadores nacionais nesta prova.

A seriedade que este tipo de  competição atinge hoje é algo que provavelmente nenhum dos seus criadores previu quando o primeiro título da série foi lançado em 1997. Gran Turismo acabou por ser um dos porta-estandartes da primeira consola da Sony, mas desse sucesso no conforto do sofá até às competições mundiais com milhares de espetadores há muita estrada percorrida.

Após a final europeia, tivemos a oportunidade de falar novamente com o criador da série, o histórico game designer japonês Kazunori Yamauchi. Há um ano, a entrevista focou-se nos vinte anos da série, no realismo da experiência automobilística em videojogo e nas possibilidades da Realidade Virtual no género. Um ano depois, voltamos a uma pequena conversa com o autor, já com GT Sport perfeitamente integrado num circuito de eSport, com uma competição milionária a apurar os vencedores continentais com acesso à grande final Mundial.

Com é que a entrada de clubes da NBA e de futebol como o PSG a apostarem a sério em divisões de eSports como FIFA ou GT Sport vai influenciar a modalidade?
Não tenho a certeza… Sei que estes clubes de futebol/organizações estão dentro da gestão de atletas, portanto, entendo o seu interesse nos eSports. Mesmo fora dos clubes de futebol, muitas estruturas querem entrar no campo de management de eSports. Para nós, é cedo para perceber porque começámos os campeonatos este ano. Ainda não estamos ao nível de futebol ou basquetebol mas acho que se a competição de GT Sport crescer, o aparecimento de novas empresas e clubes vai ser um curso natural das coisas.

Oficialmente, este é o primeiro campeonato de GT Sport. Como estão os números de adesão? É algo que veio para ficar ou é apenas uma experiência provisória?
Ainda estamos no nosso primeiro ano, mas estamos em linha com outros desportos motorizados. Não ao nível da Formula 1 ou Nascar, mas estamos muito próximos de outros desportos motorizados. Não podemos afirmar o que o futuro nos vai trazer. Mas podemos usar o GT Sport como um foco para atletas poderem aparecer e marcar o seu nome no mundo. Se pensarmos no momento em que a Formula 1 ou o GT ou a NBA começaram não tinham o mercado de agora. Aqui temos as equipas, os atletas, os comentadores, estamos cá, todos juntos criamos uma comunidade e uma família, acredito que foi assim que a F1 começou. Não devemos pensar logo em grandes negócios, a maior felicidade é se a nossa família crescer aos poucos até ficar enorme. Todos aqui são família para nós.

Uma curiosidade: porque é que nesta competição todos os atletas usam a mesma roupa, o mesmo equipamento e não os das suas equipas, ao contrário dos restantes eSports?
Não sei o que os outros eSports fazem, mas acima de tudo o nosso produto sempre teve uma consistência de design e nisso estão incluídos todos os logos e tudo o que há no jogo. Neste evento, e neste momento, o foco é manter a consistência, para quem entra saber imediatamente que está no campeonato de Gran Turismo.

Sei que não querem falar do futuro por ser ainda tão vago, mas está nos vossos planos a criação de parcerias com organizações nacionais, criando ligas de cada país para encontrar os representantes para os campeonatos europeus ou mundiais?
Qualquer formato é possível, mas implementar não é fácil. Desportos podem existir em vários formatos. F1, Olimpíadas, campeonatos do mundo, as hipóteses são imensas mas implementá-las é muito complicado.

Texto de Ricardo Correia, entrevista de Marco Janeiro e tradução de João Machado. Rubber Chicken

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)