Prisões

Prisão de Lisboa vai fechar. Terrenos valiosos podem dar lugar a novo Campus da Justiça — ou ser vendidos para hotéis

382

Prisão de Lisboa vai encerrar até 2020. Ministério da Justiça quer que terrenos sirvam para construir novo Campus da Justiça, mas Plano de Pormenor da zona prevê construção de casas e hotéis.

O Palácio da Justiça de Lisboa está incluído nos terrenos do EPL

PEDRO_ROCHA/GLOBAL IMAGENS

O Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL), situado na Rua Marquês da Fronteira com vista para o Parque Eduardo VII, vai fechar. A medida está prevista no Orçamento do Estado de 2019 e, segundo o Jornal Económico, deverá estar concluída até 2020. O problema está no facto de não haver consenso para já sobre qual o destino que será dado a esses terrenos. De acordo com a SIC, o ministério da Justiça quer construir ali um novo Campus da Justiça, que está agora no Parque das Nações, mas o Plano de Pormenor aprovado pela Câmara da capital prevê a entrega a privados e prevê a construção de edifícios de habitação e hoteleiros no local.

O edifício histórico do EPL está classificado desde 2013 como sendo de interesse público, o que significa que não pode ser demolido. Os terrenos em volta, contudo, não estão abrangidos por essa definição — e, de acordo com os promotores imobiliários ouvidos pela SIC, “valem ouro”, podendo o seu valor chegar aos “dois mil euros por metro quadrado”. O imóvel está atualmente na posse da Estamo, imobiliária do próprio Estado, que comprou os terrenos em 2006 por 62 milhões de euros. Desde então, visto o EPL continuar no local, o Estado está a pagar à Estamo uma indemnização anual de quase três milhões de euros, segundo informações dadas pelo ministério da Justiça ao Expresso em 2016.

Com a aprovação em Orçamento do Estado do fecho do EPL, o processo está mais perto de ser concluído. O que não parece haver, contudo, é entendimento sobre a finalidade que os terrenos terão. O ministério da Justiça de Francisca Van Dunem parece estar decidido em utilizar os terrenos do EPL para realojar ali o Campus da Justiça, cuja renda no Parque das Nações custa atualmente cerca de nove milhões de euros por ano. Isso mesmo podia ler-se num documento de trabalho do ministério a que a Agência Lusa teve acesso em março, que previa ali a manutenção do Palácio da Justiça, instalando-se futuramente no local o Juízo do Comércio e o Tribunal Marítimo e construindo “um conjunto de Edifícios na Rua Marquês de Fronteira”, a fim de concentrar em Lisboa os Juízos, os DIAP e outros tipos de tribunal, “num modelo sustentável, em edifícios da propriedade do Estado”.

À SIC, o ministério confirmou essa intenção de construir edifícios nos terrenos da Estamo: “Está definido que a cidade judiciária de Lisboa se localizará na Rua Marquês da Fronteira, em Campolide.” A obra teria, segundo a estação de televisão, um custo de 44 milhões de euros.

A CML e a Estamo, contudo, não têm o mesmo entendimento. De acordo com o Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana do Campus de Campolide, aprovado em 2014 e consultado pela SIC, prevê-se que o edifício principal dos terrenos — aquele onde está atualmente a prisão e que está classificado como património de interesse público — seja cedido à Câmara para “instalação de equipamento de utilização pública”. O mesmo documento, contudo, prevê que o resto do terreno pode ser vendido a privados, estando permitida a construção de pelo menos duas unidades hoteleira e blocos de habitação e comércio. O Plano de Pormenor foi aprovado pelo PS em assembleia municipal e teve os votos contra de toda a oposição em assembleia municipal, com exceção do CDS, que se absteve, permitindo que o documento fosse aprovado.

Contactada pela SIC, a CML disse formalmente não conhecer “quais as áreas que vão ser desativadas pelo Estado, não podendo, por isso, pronunciar-se sobre esta matéria”. A mesma entidade reconheceu, no entanto, que o Plano de Pormenor da área em questão “prevê a reconversão do espaço para outros usos”.

A Estamo classifica como “prematuro” definir já quais os usos que os terrenos terão, “uma vez que os planos ainda estão a ser discutidos“. De acordo com o Jornal Económico, a “venda a privados” de parte dos terrenos está a ser equacionada, “dado o elevado encaixe financeiro que o Estado poderá assegurar”, devido ao facto de ser uma área “extremamente apetecível para investidores portugueses e estrangeiros”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Advogados

Falar de Justiça para totós

Rui Costa Pereira

Uma sociedade que permite a quem acusa e julga informar que um cidadão é acusado ou condenado, tem também de permitir com total liberdade a quem o defende informar sobre o possível erro dessa decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)