Câmara Municipal Lisboa

Munícipe interrompe reunião da Câmara Municipal de Lisboa e Medina manda retirá-lo da sala

1.774

Um munícipe pediu a palavra durante a reunião pública da Câmara de Lisboa, Fernando Medina não autorizou porque naquele momento estava a interromper a ordem de trabalhos. O homem foi retirado à força.

O munícipe pediu a palavra fora do período de intervenção pública

CML

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa mandou retirar da sala um munícipe depois de este ter interrompido a reunião pública que estava a decorrer. O munícipe acabou por ser retirado pela Polícia Municipal.

Fernando Medina tinha acabado de anunciar o ponto 3 da ordem de trabalhos quando um cidadão se levantou e pediu a palavra. O autarca recusou. “O senhor não tem direito à palavra neste momento. Está a interromper uma reunião de câmara”, disse. E pediu que o munícipe fosse avisado que tinha de sair.

Medina tentou prosseguir a reunião no ponto em que tinha sido interrompido, mas o munícipe continuou a insistir que tinha o direito de falar. À medida que a Polícia Municipal tentava convencer o homem a sair, este ia ficando mais exaltado e falando mais alto, mas acabou mesmo por ser retirado da sala.

João Gonçalves Pereira, vereador do CDS-PP, lembrou que este munícipe já tinha tentado falar na última reunião de câmara e que lhe tinha sido dito que voltasse esta quinta-feira. Fernando Medina reiterou que todos os munícipes inscritos no período do público tinham sido chamados e que o munícipe em questão não se tinha manifestado nesse momento. Mais, o cidadão em causa tinha uma reunião marcada com a Unidade de Coordenação Territorial (UCT) e uma inscrição para a Assembleia Municipal. Logo, o motivo que o levava a pedir a palavra já estaria a ser resolvido.

O senhor não pode interromper a reunião da forma como interrompeu”, disse Fernando Medina.

O vereador do CDS-PP e João Ferreira, vereador do PCP, defenderam que um munícipe tem o direito de intervir no espaço público, e no tempo que é reservado para o efeito, tantas vezes quantas deseje. Medina defendeu que não se pode estar sempre a ouvir as mesmas pessoas quando não há nenhum desenvolvimento sobre o caso, especialmente quando há agendamentos com os serviços municipais.

De acordo com as explicações do Presidente da Câmara de Lisboa, o munícipe não estava sequer inscrito para falar, não pediu a palavra no tempo que era destinado ao público (ainda que não tendo inscrição) e interrompeu uma reunião de câmara. Medina reforça que a interrupção “de forma intempestiva não é aceitável”. Sobre este ponto os vereadores não discordaram.

“Se a questão tivesse sido colocada no período do público — até porque faltou uma das pessoas —, porventura o senhor usaria pela enésima vez da palavra. Não o fez. Começámos a nossa ordem de trabalhos [e ele] interrompeu intempestivamente esta reunião”, disse Fernando Medina. “É minha obrigação assegurar o respeito pela câmara, pela instituição e pelos senhores vereadores.”

Fernando Medina lembrou que o objetivo das intervenções do público é promover uma resposta dos serviços da câmara aos problemas concretos colocados. “É mais importante ouvirmos novos casos, novas situações, respondermos a novos problemas do que estarmos simplesmente a repetir o que são as exposições que resultam de inconformismos pessoais.”

Isto é um órgão político para tomarmos decisões para ajudarmos a resolver a vida das pessoas. Não é um sítio de desabafo”, disse Fernando Medina.

Resolvida a situação e o debate de ideias entre o presidente da câmara e os vereadores, Fernando Medina prosseguiu com a ordem de trabalhos. As reuniões são gravadas e esta pode ser vista na íntegra aqui. O Observador selecionou o momento em que o munícipe interrompeu a reunião e a discussão política que se seguiu sobre este assunto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)