El Chapo Guzmán

Sete mulheres e cinco homens vão julgar “El Chapo”

Vários entrevistados disseram ter medo de ser escolhidos para integrar o júri e um admitiu ser fã do acusado. Este é o maior julgamento por narcotráfico nos EUA e vai começar no dia 13 de novembro.

AFP/Getty Images

Sete mulheres e cinco homens de origens diversas vão integrar o júri que vai decidir o destino do ex-líder do cartel de Sinaloa, Joaquín Guzmán Loera (mais conhecido por “El Chapo”). O processo de seleção foi concluído na quarta-feira, dia 7 de novembro, no tribunal federal de Brooklyn. Este é considerado o maior julgamento por narcotráfico nos EUA e vai começar no dia 13 de novembro, com a apresentação das declarações iniciais por parte dos serviços fiscais e de defesa.

Na seleção final, foram escolhidos 12 membros e seis suplentes — quatro mulheres e dois homens. Entre os jurados, há dois europeus, seis afroamericanos, um asiático e dois espanhóis, sendo que não se sabe a origem do 12.º elemento, que é uma mulher. Nenhuma identidade, porém, será revelada para evitar pressões e intimidações, sendo que o júri está parcialmente isolado, é identificado apenas por um número e está a ser ser escoltado diariamente para o tribunal por agentes armados.

Sabe-se também que os membros do júri têm idades entre os 20 e os 50 anos e que há pessoas com ligação às forças de segurança. Designadamente, uma jurada é sobrinha de um antigo guarda prisional, o jurado asiático tem um filho que trabalha na polícia de Nova Iorque e uma outra jurada, que é polaca, diz que o filho teve problemas com drogas. Todos disseram conhecer Guzmán, à exceção de uma mulher da Etiópia, que disse não fazer ideia de quem ele é.

Ao todo, foram feitas 74 entrevistas, ao longo de dois dias, guiadas pelo juiz Brian Cogan, que preside ao caso, pelos procuradores que acusam Guzmán de 17 crimes e pela defesa de Guzmán. Entre elas, houve vários entrevistados que disseram ter medo de ser escolhidos para integrar o júri e um ainda admitiu ser fã do acusado.tendo sido excluído depois de… lhe pedir um autógrafo. Contudo, o resultado final é positivo: “Estamos satisfeitos com o júri que foi selecionado”, disse um dos advogados do narcotraficante aos jornalistas.

Recorde-se que Guzmán, de 61 anos, liderou durante mais de 20 anos o cartel de Sinaloa, tendo sido considerado pelos EUA o ”traficante mais poderoso do mundo”, depois da morte de Pablo Escobar. Foi extraditado em janeiro de 2017, depois de ter sido recapturado um ano após fugir  (pela segunda vez) de uma prisão de alta segurança através de um túnel. Este é o maior julgamento por narcotráfico nos EUA e vai começar no dia terça-feira, 13 de novembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)