Estados Unidos da América

Estados Unidos suspendem reabastecimento de aviões sauditas que combatem no Iémen

Os Estados Unidos vão parar de reabastecer aviões da Arábia Saudita que combatem os rebeldes huthi no Iémen, informaram as autoridades norte-americanas e o reino saudita.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Estados Unidos vão parar de reabastecer aviões da Arábia Saudita que combatem os rebeldes huthi no Iémen, informaram as autoridades norte-americanas e o reino saudita.

“Os EUA e a coligação querem colaborar na construção das forças legítimas do Iémen para defender o povo iemenita, proteger as fronteiras de seu país e contribuir nos esforços para combater a Al-Qaeda e o Estado Islâmico no Iémen e na região”, afirmou na sexta-feira o secretário de Defesa norte-americano, Jim Mattis.

Já a coligação liderada pela Arábia Saudita que luta no Iémen informou hoje que “solicitou [aos EUA] a cessação do reabastecimento em voo” dos seus aviões militares, num momento em que crescem as críticas à Arábia Saudita por atacar indiscriminadamente mercados e hospitais, matando civis.

A alteração não deverá afetar a assistência militar e o treino que apoiam os ataques aéreos sauditas, que terão causado milhares de mortes de civis.

O Iémen está praticamente dividido em dois, com as forças pró-governamentais a controlarem o sul e uma boa parte do centro e os rebeldes a ocuparem o norte e parte significativa do oeste.

A guerra do Iémen opõe as forças do governo, apoiadas pela coligação internacional dirigida pela Arábia Saudita, aos rebeldes huthis, que se apoderaram em 2014 e 2015 de vastas regiões do país, incluindo a capital, Sanaa.

Desde 2014 que o conflito causou mais de dez mil mortos e provocou, segundo a ONU, a pior crise humanitária no mundo, com milhões de pessoas ameaçadas pela fome.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)