Rui Rio

Caso José Silvano: Rui Rio garante que nunca disse que “não deixa cair os amigos”

603

Relatos garantiam que o líder do PSD tinha saído, assim, em defesa de Silvano, num encontro com militantes em Viseu. Em comunicado, o PSD fala em "mentira perversa" divulgada "maldosamente".

ESTELA SILVA/LUSA

O PSD garante que Rui Rio nunca disse que “não deixa cair os amigos”, a propósito do caso das faltas de José Silva, secretário-geral do partido. Num esclarecimento enviado às redações, o PSD diz que é uma “mentira perversa” divulgada “maldosamente” por quem quer dar a entender que “o líder do PSD não respeita regras éticas quando possam estar em causa pessoas de relacionamento muito próximo”

A notícia foi avançada pela Lusa, esta terça-feira. A agência de notícias citava relatos de um encontro do Presidente do PSD com militantes em Viseu, durante o qual Rui Rio teria afirmado que “não deixa cair os amigos”, quando questionado sobre a polémica em torno das falsas presenças do secretário-geral do partido no parlamento. De acordo com os tais relatos da reunião – que durou cerca de quatro horas -, terá sido o próprio Rui Rio a levantar o assunto, notando que não lhe tinha sido colocada qualquer pergunta sobre a polémica que marcou a semana passada.

Perante o desafio, terá sido questionado por um militante sobre como compatibilizava o caso de Silvano com o “banho de ética” que prometeu quando se candidatou à liderança do partido. Na resposta, Rio desvalorizou a polémica, negando que o secretário-geral tivesse agido de forma a receber indevidamente ajudas de custo.

Foi nesse contexto que, segundo a Lusa, o presidente social-democrata acrescentou que “não deixa cair os amigos”, e que “a última coisa” que faria seria deixar cair José Silvano, que é já o seu segundo secretário-geral desde que assumiu a liderança do PSD em janeiro.

No desmentido, o PSD diz que Rui Rio transmitiu “claramente” que “a falta de cumprimento dos princípios éticos não é aproveitar-se oportunisticamente da condenação mediática de alguém”, dizendo que é preciso fazer uma apreciação justa dos factos. O comunicado sublinha, aliás, que Rio “chegou mesmo a dizer que seria “um canalha” se se aproveitasse da fragilidade de terceiros para defesa cobarde da sua própria imagem”, já depois dos militantes terem compreendido “o exagero que foi dado a este caso”.

A sessão, que decorreu na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, insere-se numa volta pelo país do líder do PSD, em que pretende debater diretamente com os militantes do partido, já tendo marcado presença em distritos como Porto, Aveiro, Coimbra ou Santarém, entre outros. Para quarta-feira, está prevista a reunião com os militantes de Lisboa.

O tema das faltas dos deputados ganhou relevo na última semana, com o caso das falsas presenças de José Silvano, em pelo menos duas reuniões plenárias, em 18 e 24 de outubro. Na sexta-feira, a deputada social-democrata Emília Cerqueira admitiu que pode sido ela inadvertidamente a registar José Silvano quando entrou no computador com a password do secretário-geral do partido para consultar documentos partilhados, o que levou o líder parlamentar, Fernando Negrão, a dar o caso como “encerrado”.

Na passada quinta-feira, seis dias após o Expresso ter noticiado o caso (em 3 de novembro), José Silvano fez uma declaração no parlamento, sem responder a perguntas dos jornalistas, na qual assegurou não ter pedido a ninguém para que o registasse em plenários nos dias em que faltou por se encontrar a realizar trabalho político em Vila Real e Santarém na qualidade de secretário-geral. Na mesma declaração, Silvano pediu que a Procuradoria-Geral da República, que já anunciou estar a analisar o caso, investigue o sucedido.

No dia 5 de novembro, na única vez em que se pronunciou publicamente sobre o caso, Rui Rio assegurou que mantinha a confiança política em José Silvano, e classificou o caso como do domínio das “pequenas questiúnculas”. “Claro que mantenho a confiança política. O caso não é agradável, como é evidente, não é um caso positivo, mas acha que ter uma proposta para o país, discutir o país, debater o país pode ser anulado pelas pequenas questiúnculas que estão constantemente a surgir neste partido e nos outros partidos. Não pode ser, temos de estar um bocadinho acima disso”, afirmou, à margem de uma iniciativa no Porto.

(Notícia atualizada às 23h40, com o desmentido do PSD)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
249

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)