Música

Spotify e Apple Music ganham concorrência em Portugal — ficou disponível o YouTube Music

O YouTube Premium, que permite ouvir vídeos da app com o smartphone bloqueado, e o YouTube Music, o novo serviço de subscrição de música da Google, são lançados esta quarta-feira em Portugal.

O YouTube Music vai estar disponível para browsers de Internet e para smartphones

A Google lançou, esta quarta-feira, em Portugal, o YouTube Music, um serviço de subscrição de músicas como o Spotify ou o Apple Music. Além disso, também ficou disponível o YouTube Premium, uma opção de subscrição mensal para se poder utilizar a plataforma sem ver ou ouvir anúncios e com o dispositivo bloqueado. Estas duas novas apostas da empresa em serviços de subscrição pagos chegam a Portugal depois de, desde maio, estarem disponíveis em países como Espanha, Estados Unidos e França.

Sobre o YouTube Music, Candice Morrissey, responsável da Google para parcerias de Música na Europa, Médio Oriente e África, explicou ao Observador que a empresa criou “este produto a pensar nas pessoas que utilizam o YouTube para música”. À semelhança de outros serviços para se ouvir canções já disponíveis, a aplicação junta numa só plataforma conteúdos de artistas de todo o mundo. “Queremos dar conteúdo que só se encontra no YouTube”, explicou Morrissey.

O mercado de subscrição tem muito potencial. Queremos lançar em vários países e garantir que seja um sucesso. Em Portugal, lançamos agora para garantir que temos o catálogo exato e correto”, afirmou Candice Morrissey sobre a aposta a Google em Portugal, garantindo que tem todos os artistas na plataforma que os portugueses vão querer ouvir.

Apesar de o YouTube Music basear-se na biblioteca de músicas e vídeos já disponíveis no YouTube, neste serviço apenas vão estar disponíveis conteúdos que são detidos por empresas e artistas que fizeram parceria com a Google (tendo como base de trabalho o YouTube, são bastantes).

“Temos acordos com milhares de artistas em todo o mundo”, garantiu a responsável da Google. Mesmo baseando-se na plataforma de vídeo online, este novo serviço tem como objetivo, à semelhança do Spotify e do Apple Music, disponibilizar todos os conteúdos que queira ouvir. Contudo, por estar ligado ao YouTube, o Music tem opções como ver os videoclips das canções que se está a ouvir e saber quais os vídeos de música que estão a ter mais sucesso.

O YouTube Music tem ainda funcionalidades semelhantes às dos serviços de subscrição de música já no mercado, como a possibilidade de criar uma lista de músicas preferidas, escolher que canção quer ouvir por género musical e, através do algoritmo da inteligência artificial da Google, até lhe propõe o que ouvir. Além disso, se não tiver Internet, a opção paga do YouTube Music, a Premium, permite não só não ter anúncios entre as músicas, como fazer o download de música na app para ouvir offline.

Esta nova aplicação vai estar disponível para os sistemas operativos móveis da Apple, o iOS, e da Google, o Android, além de ser possível utilizá-la nos browsers para computadores. O preço da subscrição é de 6,99 euros por mês (instalações da apps até 10 dispositivos, sem possibilidade de se ouvir em simultâneo), e há a possibilidade de adquirir pacotes para família.

Quanto ao Google Music, o serviço da empresa que também já permite ouvir músicas num plano de subscrição que não tem tido grande sucesso, Morrissey afirma que “gradualmente” o objetivo vai ser que “tudo o que há no Google Music esteja também YouTube Music”. A médio prazo, se o YouTube Music vingar num mercado com cada vez mais concorrência, a empresa pondera fundir os dois serviços

YouTube Premium. É possível não ver anúncios no Youtube, por um preço

O YouTube Premium, antes conhecido como YouTube Red, permite utilizar o site e app da plataforma sem ter anúncios e também fica disponível esta quarta-feira. Este plano de subscrição adiciona outras funcionalidades para quem é um utilizador ávido do serviço da Google, como fazer o download dos vídeos para ser ver offline, diretamente na app. Uma das principais novidades é a opção de se poder continuar a ouvir o som da aplicação mesmo que em segundo plano ou com o telemóvel bloqueado (um pedido feito por muitos utilizadores da plataforma em dispositivos móveis).

Apesar de o YouTube Premium ser também um novo serviço de vídeo por subscrição, como o Netflix ou o NOS Play, a Google afirma que não concorre diretamente com outras plataformas de vídeo por subscrição por não estar a apostar em conteúdos como séries e filmes. A razão, diz a empresa, é por o serviço basear-se nos conteúdos já disponíveis na plataforma que são, maioritariamente, criados pelos utilizadores.

Este novo serviço marca também a entrada do YouTube Originals em Portugal, uma opção disponível só para utilizadores Premium, que permite ter acesso a vídeos exclusivos das principais estrelas da plataforma, como o YouTuber PewDiePie, ou séries como o Cobra Kai, um spin-off dos filmes do Karaté Kid.

Quem optar por subscrever o YouTube Premium tem, automaticamente, acesso aos serviços de subscrição por música da empresa, como o YouTube Music. Este serviço tem um preço base de 8,99 euros por mês.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)