O Presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou esta quinta-feira fechar a fronteira com o México por um período não revelado, caso considere que o seu aliado do sul perdeu o “controlo”.

No dia em que os EUA celebram o Dia de Ação de Graças – uma festa de celebração do espírito de tolerância -, Donald Trump cita a situação envolvendo uma caravana de refugiados, vinda da América Central e a caminho dos EUA, que se encontra acampada em Tijuana, no México, para justificar a possibilidade de decretar o encerramento de fronteiras com este país.

Trump disse que se trata de “uma situação realmente má” e considera que se for considerada “incontrolável” obrigará a “fechar a entrada nos EUA até que se possa garantir o controlo” e que este encerramento se aplicará a toda a extensão de fronteira com o México.

Militares autorizados a disparar “de for necessário”

O Presidente dos EUA também referiu que autorizou as tropas americanas estacionadas na fronteira a usar força letal contra os migrantes, “se for necessário”, acrescentando: “Espero que tal não seja necessário”. Donald Trump, que foi celebrar em família o Dia de Ação de Graças na Florida, afirmou aos jornalistas que não tinha escolha, porque está a “lidar com pessoas rudes”.

É a segunda vez que o magnata muda de posição sobre essa matéria. No final de outubro, Trump avisava que os militares iriam disparar contra os migrantes caso fossem atacado com pedras. Alguns dias depois, já em novembro, recuava e garantia que, afinal, não seria usada força letal — as mesma que, agora, autoriza de novo o exército a usar.