Rádio Observador

Petróleo

Geopolítica é o que está a definir as oscilações do preço do petróleo

Em declarações à agência Lusa o economista nigeriano Mahaman Laouan Gaya, argumentou que a lei da oferta e da procura já foi ultrapassada por questões geoestratégicas na definição do preço do petróleo

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da Organização dos Produtores de Petróleo Africanos (APPO) defendeu esta segunda-feira, em Luanda, que a lei da oferta e da procura já foi ultrapassada por questões geoestratégicas na definição do preço do petróleo nos mercados internacionais.

Em declarações à agência Lusa, no final da sessão de abertura da 2.ª Conferência e Exposição sobre Conteúdo Local na Indústria do Petróleo e Gás em África, promovida pela APPO, o economista nigeriano Mahaman Laouan Gaya, argumentou ser essa a razão principal pelas oscilações do preço do crude nos mercados internacionais.

“Agora já não se depende dos fundamentos do mercado. A teoria da procura e da oferta, que tem determinado o preço do petróleo foi ultrapassada pela geopolítica e é isso que tem levado à subida e à descida dos preços do petróleo. Temos de saber lidar com isso. Torna-se difícil para nós, agora, saber se amanhã o preço sobre ou desce”, referiu.

Para o economista, nascido em Niamey, para combater a adversidade os países produtores de petróleo, em todo o mundo, têm de saber “gerir bem” as suas economias e de as diversificar, para que não dependam das receitas do petróleo.

“Há países em que o orçamento [do Estado] depende em 90% das receitas do petróleo e, quando o preço desce, enfim, sofrem. E quando sobe, é bom. Mas temos de diversificar as economias para que não sofram com as oscilações do crude”, sugeriu.

Mahaman Gaya lembrou que houve uma altura em que o preço do barril de petróleo desceu abruptamente para os 26 dólares por barril, realçando que, pouco depois, disparou significativamente, tendo atingido os 148 dólares, e “não se deveu unicamente à teoria da oferta e da procura”.

“O mais importante não é os preços subirem e descerem. O mais importante é a gestão desses recursos. Se existir uma boa governação do setor de petróleo isso é o mais importante para os nossos países. Por isso, temos de estar preparados. Todas as matérias-primas têm os preços a subir e a descer. Temos de estar preparados para todas as eventualidades e de manter as nossas economias saudáveis para que possam sobreviver às descidas”, sustentou.

A APPO, lembrou, é uma organização intergovernamental criada em 1998 por países africanos produtores de petróleo e tem em curso reformas para melhorar a sua ação, tendo em conta que o mundo, e África em particular, tem “três grandes desafios” pela frente.

“O primeiro é criar talento, o segundo o de combater a fome e o terceiro é o da energia. África tem de produzir energia e o nosso objetivo é o setor do petróleo. O desenvolvimento das comunidades locais é importante. No caso de Angola, o país é o segundo maior produtor de petróleo em África, atrás da Nigéria. Já foi o primeiro. Vai trocando de lugar com a Nigéria”, realçou Mahaman Gaya.

O secretário-geral da APPO salientou, por isso, que Angola está na “linha da frente” na questão dos “Conteúdos Locais”, uma vez que está a desenvolver um trabalho de retoma da atividade industrial ligada ao setor do petróleo e do gás, travado pela crise provocada pela queda dos preços do crude e pela falta de diversificação económica.

“Angola pode continuar a organizar este tipo de conferências porque o tema dos ‘Conteúdos Locais’ é um dos pilares mais importantes. As receitas, os lucros, são menos importantes que os ?Conteúdos Locais'”, defendeu.

Segundo Mahaman Gaya, a segunda conferência da APPO – a primeira também decorreu na capital angolana em 2016 – deverá permitir “definir uma linha orientadora” sobre os “Conteúdos Locais em África”, algo que possa depois ser “alargada a mais países africanos”.

“Queremos que, em 2030, os ‘Conteúdos Locais em África’ atinjam os 30% nos investimentos no setor petrolífero. Angola está a desempenhar um papel chave na nossa organização e no setor do gás e petróleo no desenvolvimento de África.

Os trabalhos da segunda conferência centram-se na abordagem de aspetos geopolíticos estratégicos, técnicos, jurídicos e financeiros inerentes à promoção do “Conteúdo Local” na indústria de petróleo e gás em África, em particular nos 18 países que integram a APPO.

Além de Angola, a APPO integra a África do Sul, Argélia, Benim, Camarões, Chade, Costa do Marfim, Egito, Gabão, Gana, Guiné Equatorial, Líbia, Mauritânia, Níger, Nigéria, República do Congo, República Democrática do Congo e Sudão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)