Rádio Observador

Festividades

Carnaval de Ovar de 2019 vai impor copos recicláveis nos bares associados à festa

A organização do evento vai reforçar a sua sustentabilidade ambiental, impondo aos bares o uso de copos recicláveis, o que permitirá reduzir a circulação desses recipientes em mais de 60%.

A autarquia quer que o número de copos de plástico passe a situar-se apenas entre os 35.000 e os 40.000, quando normalmente são necessários 100.000 recipientes só nos cinco principais dias do evento

PAULO NOVAIS/LUSA

A organização do Carnaval de Ovar anunciou na quinta-feira que vai reforçar a sustentabilidade ambiental do evento, impondo aos bares o uso de copos recicláveis, o que permitirá reduzir a circulação desses recipientes em mais de 60%.

Considerando que os estabelecimentos de bebidas distribuídos pelo recinto da festa necessitavam de cerca de 100 mil copos plásticos só nos cinco principais dias do evento, o objetivo da autarquia é que, no mesmo período de 2019, o número desses recipientes passe a situar-se apenas entre os 35 mil e os 40 mil.

“Queremos ser um Carnaval ambientalmente sustentável”, declarou o vereador Alexandre Rosas, que assume a coordenação-geral do Entrudo de Ovar, no distrito de Aveiro. “Até aqui as pessoas eram servidas em copos plásticos que se deitavam para o lixo mal ficavam vazios, mas em 2019 os bares vão ter de usar um ‘ecocopo’ especial, resistente, que o cliente terá de pagar e do qual se poderá servir no resto da noite”, explicou.

Adquiridos “em hasta pública pela autarquia”, os recipientes exibirão uma estética própria associada ao evento e foram pensados até como “colecionáveis”. Serão disponibilizados ao público a um preço que “ainda está por definir”, mas, considerando que o seu custo individual, “não deverá ultrapassar os 50 cêntimos”, adiantou. O vereador encara a estratégia como “um apelo à consciência das pessoas, na tentativa de as sensibilizar para a adoção de comportamentos ambientalmente mais responsáveis e para a produção de menos resíduos”.

Quanto às restantes componentes do programa de 2019, Alexandre Rosas destaca três, a começar pela manutenção dos controlos de segurança no acesso às praças e ruas que acolhem a chamada “Noite Mágica” de segunda para terça-feira de Carnaval, o que não invalida a habitual entrada livre no recinto.

Além disso, a câmara vai lançar uma publicação própria sobre a história do Entrudo de Ovar e apoiará, igualmente, a estreia da curta-metragem “Carnaval Sujo”, em cuja produção estiveram envolvidas instituições do concelho. O programa de animação vai arrancar em 9 de fevereiro, volta a prolongar-se por cerca de um mês e distribuir-se por várias atividades, com recurso a um orçamento global na ordem dos 650 mil euros.

Alexandre Rosas admitiu que “só metade dessa verba será autossustentável”, mas realça que o Carnaval de Ovar tem evoluído de forma “positiva e regular” rumo ao autofinanciamento pleno de cada uma das suas edições e justifica dessa forma uma política de preços quase inalterada. “Os desfiles mantêm-se todos ao mesmo valor e a única alteração é no acesso ao ‘Espaço Folião’ que, dada a elevada procura, passa a ter bilhetes diários a cinco euros e pulseiras livre-trânsito um euro mais caras”, precisou.

Xande de Pilares, Nelson Freitas, Blaya, Olga Ryazanova e Quim Barreiros são alguns dos músicos já anunciados para esse palco específico, em concertos de entrada paga ou gratuita a realizar entre 22 de fevereiro e 5 de março.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Festas

Os desígnios dos senhores /premium

Alberto Gonçalves
961

Os “desígnios” são a versão “moderna” e onerosa das feiras medievais e do fumeiro. A maior diferença é comer-se pior. A maior semelhança é o deslumbramento fácil, além da omnipresença do prof. Marcelo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)