República Centro Africana

UNICEF. Duas em cada três crianças na República Centro-Africana precisam de assistência humanitária

Cerca de 1,5 milhão de crianças precisam de ajuda humanitária na República Centro-Africana e milhares foram sequestradas por grupos armados ou vítimas de violência sexual.

O conflito no país já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária

CEMGFA/LUSA

Duas em cada três crianças da República Centro-Africana (RCA) precisam de assistência humanitária e milhares foram sequestradas por grupos armados ou vítimas de violência sexual, informou esta sexta-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Cerca de 1,5 milhão de crianças precisam de ajuda humanitária neste país, que é palco há anos de combates entre grupos armados, 300 mil a mais do que em 2016, segundo a UNICEF. “Esta crise está a ocorrer num dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo, e um dos mais perigosos para os trabalhadores humanitários”, segundo a representante da UNICEF na República Centro-Africana, Christine Muhigana. “A situação das crianças é desesperante”, alertou.

A RCA, de 4,5 milhões de habitantes, está classificado como um dos países mais pobres do mundo, marcado pela violência e caos a partir de 2013, após o derrube do Presidente François Bozizé pela rebelião Séléka, composta principalmente por muçulmanos do norte do país. Em resposta, as milícias anti-bahá’ís, compostas por africanos centrais, na sua maioria cristãos e animistas, lideraram uma contraofensiva.

Uma em cada quatro crianças é deslocada ou refugiada e, apesar do agravamento da crise, o financiamento e a atenção da comunidade internacional são extremamente baixos, lamentou a UNICEF, que trabalha num terreno perigoso.

O número de ataques a trabalhadores humanitários mais do que quadruplicou de 67 incidentes em 2017 para 294 nos primeiros oito meses e meio de 2018. Segundo a ONU, várias regiões da África Central já se encontram na fase 4 (numa escala de 5), considerada como fase de emergência.

A missão dos capacetes azuis naquele país é considerada de fulcral: são cerca de 13 mil militares de vários países, incluindo Portugal, que tem atualmente no local 159 paraquedistas.

Na RCA, as populações civis têm sido alvo da violência de grupos armados de diferentes etnias, movidos por interesses dos “senhores da guerra” que cada vez mais “instrumentalizam a religião” como pretexto para “cada vez mais conflitos”, disse.

O conflito no país já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O Governo do Presidente Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)