Prisão

Guardas prisionais em vigília e em greve para exigir renovação do estatuto de carreira

198

Numa ação que coincide com o primeiro de 13 dias de greve, os guardas prisionais montaram uma tenda nos jardins em frente à Presidência da República, ficando na zona até sexta-feira de manhã.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional está esta noite numa vigília em frente ao Palácio de Belém, em Lisboa, para pedir a intervenção do Presidente da República no sentido de o Governo desbloquear a negociação do estatuto de carreira.

Numa ação que coincide com o primeiro de 13 dias de greve, os guardas prisionais montaram uma tenda nos jardins em frente à Presidência da República, ficando na zona até sexta-feira de manhã, tendo, entretanto, recebido a garantia da Casa Civil do Presidente de que serão recebidos na próxima segunda-feira.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do sindicato, Jorge Alves, explicou que a iniciativa é para apelar ao chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, para intervir junto do Governo para este cumprir o compromisso assumido em abril passado pela ministra da Justiça para negociar o estatuto da carreira e que agora o primeiro-ministro mandou bloquear.

“Desde essa altura e depois da intervenção do Presidente em Santa Cruz do Bispo, a ministra realizou reuniões de negociação até agosto, com os sindicatos a conseguirem ‘alinhavar’ um projeto de estatuto, faltando apenas a parte financeira, mas a 22 de novembro a secretária de Estado da Justiça veio dizer que o primeiro-ministro lhe transmitiu que já não haveria negociação do estatuto”, explanou.

O sindicalista considerou que “isto é brincar com o Corpo da Guarda Prisional, brincar com o tempo e com o dinheiro dos guardas”.

“No início de um mês que dizem tão difícil para as famílias nas cadeias lembram-se de vir dizer que não há estatuto da Guarda Prisional e que vai ficar tudo igual, tirando um aspeto ou outros que só vão divulgar numa reunião em 13 de dezembro”, criticou.

Estes profissionais exigem que o processo negocial “seja desbloqueado” e que, “finalmente, os guardas prisionais consigam aprovar um estatuto profissional que traga justiça aos guardas, igual ao que está a ser aplicado a outras forças equiparadas”, como é o caso da PSP.

“Não estamos a pedir mais, mas também não queremos menos”, disse Jorge Alves, explicando que nos outros serviços da administração pública “toda a gente sabe” como vão ficar os escalões, “mas no Corpo da Guarda Prisional não se sabe sequer quando vai progredir, como vai progredir, em que condições vai progredir”.

O Corpo da Guarda Prisional quer saber “o tempo que conta, para trás, para a frente, como vai ficar em termos de escalões”, e afirma que, apesar de estarem equiparados à PSP, esta força policial tem suplementos que não foram atribuídos aos guardas prisionais.

“Temos o pior de dois mundos e não é isso que queremos”, frisou o sindicalista, explicando que a PSP tem uma tabela remuneratória diferente, tem muitas categorias nos locais certos, enquanto existem guardas prisionais a desempenhar a função de chefe mas a receber como guardas e são os responsáveis pela cadeia ao fim de semana, quando há visitas e todo um serviço acrescido a realizar.

O sindicato pretende o mesmo que foi introduzido na PSP em termos de escalões, que é a criação da categoria de “guarda coordenador” e de “chefe coordenador”, explicou.

Os guardas querem também a negociação de um novo horário de trabalho, assinalando que devido aos atuais horários estabelecidos pela Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais ficaram comprometidas algumas visitas aos reclusos, dando como exemplo o Estabelecimento Prisional de Lisboa, onde esta semana ocorreu um motim devido à greve dos guardas prisionais.

“A senhora ministra da Justiça, lamentavelmente, não sabe o que está a dizer e, acima de tudo, não está a ser séria naquilo que são os problemas da Guarda Prisional”, vincou.

Questionado pela Lusa sobre se a greve de 13 dias esta quinta-feira iniciada vai prejudicar e agudizar a situação dos reclusos e mais situações de protesto como ocorreram esta semana, Jorge Alves respondeu que “temem mais do que ninguém”.

Nesse sentido, apelam aos reclusos que compreendam as razões da luta e que não provoquem protestos, assumindo, contudo, que as exigências destes se têm revelado em muitas outras ocasiões devido “à degradação” e “falta de condições” com que se vive no sistema prisional português.

Questionado igualmente sobre como os guardas prisionais vão suportar as dificuldades financeiras de uma paralisação prolongada, Jorge Alves adiantou que o sindicato tem um fundo de greve que comparticipa os rendimentos básicos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)