PS

“O Segredo”, de António Costa, é a autoajuda do PS para os socialistas europeus

185

Fernando Medina desafiou os socialistas europeus a fazerem sempre o Congresso em Lisboa. Já Zorrinho, inspirado em Costa, revelou "o segredo" para os socialistas chegarem e se manterem no poder.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

São rosas, senhores, são rosas. Para os socialistas europeus, o Governo de António Costa é um exemplo a seguir para pintar a Europa de cor-de-rosa. Não foi ao acaso que, para lançarem as Europeias, escolheram Lisboa como local do Congresso. O primeiro-ministro e líder do PS foi à abertura do evento esta sexta-feira, no ISCTE, e ouviu Fernando Medina, por graça, a desafiar os socialistas a fazerem de Lisboa a sede permanente dos Congressos. Ouviu também o chefe da delegação do PS em Bruxelas, Carlos Zorrinho, a fazer um espécie de coaching para outros partidos socialistas europeus chegarem ao poder. O eurodeputado explicou qual é “o segredo” para uma Europa socialista. E Costa — que teve até ao momento o maior aplauso do Congresso — faz parte desse segredo.

Numa espécie de intervenção de auto-ajuda política, Zorrinho defendeu que não é preciso “ter medo de falar de algumas palavras, como a felicidade“. Isto porque a felicidade é a ausência de medo e a ausência de uma sensação de falha no processo individual“. O socialismo, defendeu o eurodeputado no mesmo tom de coaching, é “recuperar a esperança, a alegria de viver, o sentido da vida” para proporcionar a “todos uma vida decente, comunidades plurais e saudáveis.” Mas à ideologia, é preciso juntar a confiança, os resultados.

Numa espécie de intervenção de auto-ajuda política, Zorrinho defendeu que não é preciso “ter medo de falar de algumas palavras, como a felicidade”. DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O modelo, para Zorrinho, já existe: é o Portugal de Costa. E, para vencer as Europeias, basta copiá-lo. “A experiência de de governação progressista em Portugal é uma inspiração muito forte para os socialistas europeus”, disse o eurodeputado na intervenção de abertura do Congresso.

Zorrinho elogiou o “grande trabalho de António Costa”, que “soma esperança e confiança” e que leva muitos dos seus camaradas europeus a pedirem-lhe conselhos: “Perguntam-me: qual é o vosso segredo? E eu respondo, o nosso segredo são pessoas competentes. O Governo português tem juntado a visão mobilizadora a concretizações que reforçam a onda de mudança. As narrativas são essenciais, mas os resultados também. É esse o segredo da governação em Portugal e é esse que tem de ser o segredo na Europa”

Já o presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, começou por dizer que ia “propor que Lisboa seja a casa permanente dos congressos do PS“. Depois, falando para os delegados e aproveitando estar em Lisboa, puxou a brasa à sua sardinha. “Olhem para os presidentes de câmara. Os autarcas das maiores cidades [da Europa] são presidentes de câmara progressistas e, mesmo naquele pequeno número de grandes câmaras que não são progressistas, seguem políticas progressistas”, lembrou Medina, que, ao contrário de Zorrinho, optou por falar em inglês.

Fernando Medina lembra que são “os autarcas que estão na linha da frente a responder aos problemas dos cidadãos” e que “a agenda progressista é a única capaz de responder aos problemas dos cidadãos”. É através deles que, segundo Medina, pode ser feita parte da mobilização das próximas europeias.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa falou depois sobre o “candidato comum” à presidência da Comissão Europeia, Frans Timmermans, dizendo que o holandês será capaz de “levantar a bandeira dos socialistas europeus” mais alto e elogiou o trabalho “absolutamente notável como comissário progressista.” Medina disse ainda a Timmermans: “Espero que Lisboa o possa inspirar.”

Fernando Medina lembra que são “os autarcas que estão na linha da frente a responder aos problemas dos cidadãos”. DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Sobre as Europeias, Carlos Zorrinho também disse que é fundamental “combater os anti-europeus” e — aqui enviando farpas ao Partido Popular Europeu — “o projeto neo-liberal que tem liderado a Europa.” Para consumo interno, Zorrinho discordou da ideia que nas Europeias em Portugal “não há voto útil.” Para o eurodeputado do PS “não haverá em maio de 2019 voto mais útil para os votos que foram canalizados para os S&D (o grupo político do Partido Socialista Europeu). É o voto útil que serve para salvar o projeto europeu dos radicalismos e populismos e também do jogo neoliberal”.

Antes de Medina e Zorrinho, Achim Post, deputado alemão e secretário-geral dos Partido Socialista Europeu, lembrou que o grande motivo deste Congresso é ajudar Timmermans a vencer Manfred Weber, candidato a presidente da Comissão Europeia pelo Partido Popular Europeu (de que fazem parte o PSD e o CDS).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
134

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
487

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)