Rádio Observador

Agricultura

Grow to Green. A empresa portuguesa que quer tornar a comida mais limpa

572

A Grow to Green é uma empresa de Castelo Branco que produz vegetais em ambientes controlados. Garante que, assim, a comida é mais limpa e amiga do ambiente. Já está á venda nos supermercados.

Gustavo Figueiredo Photography

Há uma empresa portuguesa que está a produzir vegetais dentro de câmaras verticais para garantir que os alimentos não sofrem qualquer contaminação química, não estão sujeitos às condições climáticas e são mais limpos que os cultivados de forma tradicional.

A Grow to Green (G2G) fabrica câmaras de crescimento para a produção agrícola em ambiente fechado que permitem controlar com precisão as variáveis de que depende o crescimento de uma planta — temperatura, humidade, vento, iluminação e nutrição. Daqui vão resultar vegetais com menos 99,4% de bactérias e sem qualquer percentagem de contaminação biológica, pesticidas e outros químicos, garante a empresa.

Imagine que quer plantar uma alface. Primeiro tem de recolher uma semente de alface e colocá-la num meio de crescimento com minerais e nutrientes suficientes para alimentar a planta. Depois, a semente é colocada numa das nove prateleiras que existem dentro dessas câmaras de crescimento e submetida aos elementos de que depende para crescer. Como está em ambiente fechado, longe da possibilidade de ser fustigada pela poluição ou pelo mau tempo, ela não vai precisar de químicos para sobreviver a esses ataques. Além disso, dentro da câmara, as condições de luminosidade, de vento, de temperatura e humidade vão ser todas equilibradas de modo a garantir o crescimento saudável da alface.

Para o consumidor isso traz uma vantagem imediata: estudos da Grow to Green, que pertence ao grupo ISQ, sugerem que as alfaces nascidas através deste método podem ter um prazo de validade maior do que uma alface criada de forma tradicional e do que uma alface embalada, como as vendidas nos supermercado.

Em conversa com o Observador, os responsáveis pelo projeto explicam que isso acontece por causa do tratamento que a alface sofre depois de colhida. No caso das alfaces embaladas, depois de serem tiradas da terra, elas passam por um banho de água com (uma quantidade inofensiva para a saúde de) lixívia para as livrar de impurezas. Depois, são secas através de centrifugação.

Esses movimentos enfraquecem as células que constituem as folhas das alfaces, fazendo com que o vegetal se deteriore mais depressa. Mas como as alfaces criadas através destas câmaras são mais limpas, elas não precisam de passar por processos como esses e, portanto, duram mais tempo.

Mas há outras vantagens. Este método de produção permite ter várias colheitas ao longo do ano —  a Grow to Green contabiliza mais de doze anualmente — de alimentos que, no passado, por não serem da época, não podiam chegar à mesa do consumidor. A agricultura já não tem de depender da estação do ano porque o clima que dá acesso aos vegetais de época podem ser mimetizados dentro da câmara.

A produção de alfaces no interior das câmaras. Créditos: Grow to Green

A Organização das Nações Unidas estima que a população mundial irá aumentar em 2,5 mil milhões (chegando aos 9,5 mil milhões de pessoas) até 2050. Para que todas essas pessoas tenham acesso a comida de qualidade é preciso aumentar a produção de calorias em 69%.

E há mais dois aspetos que dão importância a projetos como este. Um é o que crescente cuidado com a saúde: a Grow to Green diz que métodos como estes permitem às pessoas controlarem melhor o que comem e como essa comida foi produzida, mesmo que isso signifique pagar um pouco mais por um produto.

Outro é a preocupação ambiental: neste momento, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, mais de 4.900 milhões de hectares de terra no planeta são usados para agricultura. Mas muitos deles resultaram da fustigação de grandes espaços florestais, como a Floresta Amazónica, e consomem demasiada água.

Neste momento, os produtos da Grow to Green — como alfaces, rúculas e ervas aromáticas — já estão à venda, disponíveis para o público. Desde abril deste ano que a Grow to Green que está à venda, na Manteigaria Silva, uma salada portuguesa pronta a comer constituída por um trio de alfaces lisas e frisadas, presunto pata negra obtido a partir de pernil de porco ibérico sujeito a cura natural e envelhecimento em cave durante 24 meses; e queijo da ilha de São Jorge com cura de quatro meses. De acordo com a Grow to Green, essa salada tem 250 calorias e está disponíveis nas lojas na Baixa de Lisboa e no Mercado da Ribeira.

Além disso, durante este verão, a Grow to Green também colocou oito produtos à venda num supermercado Intermarché em Lagos. Esses produtos podem ser encontrados num expositor com o símbolo da empresa. E fazem desta cadeia de supermercados a primeira a comercializar este tipo de vegetais em toda a Península Ibérica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)