Rádio Observador

YouTube

Vídeo feito pelo YouTube já é o segundo mais odiado

Rewind é um vídeo sobre 2018 e com mais de oito milhões a dizerem que não gostam da publicação. Comunidade da plataforma juntou-se em críticas ao YouTube por ser (demasiado) politicamente correto.

Os vídeos do Rewind começaram em 2010 e têm como objetivo ser um resumo de cada ano

YOUTUBE

O YouTube afirma que juntou “os criadores favoritos [dos utilizadores]”, mas o vídeo que tem como objetivo recapitular o que aconteceu em 2018 está a receber, literalmente, milhões de críticas. Atualmente, já é o segundo vídeo mais “odiado” da plataforma, com 8,2 milhões de “Não Gosto” em apenas cinco dias. À frente, só o vídeo da música “Baby”, de Justin Bieber, que tem 9,7 milhões, mas demorou 10 anos para os conseguir.

O Rewind tem a presença de vedetas como Will Smith, que este ano lançou um canal próprio de YouTube, e (muitas) referências ao jogo Fortnite, mas tem sido criticado por juntar outras personalidades da plataforma que os utilizadores não conhecem, por omitir momentos do ano propositadamente e por ter referências de diversidade na plataforma apenas por serem politicamente corretas. PewDiePie, o YouTuber com mais seguidores do mundo que, pelo segundo ano consecutivo, não aparece neste vídeo (mesmo tendo dezenas de milhões de fãs), afirmou num vídeo de resposta que também se tornou viral: “vocês [YouTube] claramente falharam nisto”.

Além de PewDiePie, o Rewind omitiu outros YouTubers como Logan Paul e Shane Dawson. Logan Paul é uma clara ausência e, no vídeo do Rewind, raros são os comentários a criticar que não o referem. O polémico YouTuber teve vídeos que deixaram de receber dinheiro depois de ter mostrado um homem que se suicidou numa floresta no Japão, mas continuou a ter milhões de seguidores e teve bastante sucesso num vídeo de um combate de boxe no YouTube..

O vídeo de crítica de Felix Kjellberg, o nome verdadeiro de PewDiePie, tem simbolizado esta revolta da comunidade ao referir outros temas que foram omitidos, como a batalha de subscritores que teve com o canal de Bollywood T-Series, os vídeos que o YouTube apagou depois de uma investigação da BBC ou a morte de personalidades como Stan Lee.

[Veja no vídeo as principais críticas contra o Rewind de 2018]

O YouTuber critica também a utilização de referências em demasia ao jogo Fortnite, que até levou a novos ‘memes’ (caricaturas utilizadas na Internet) dos comediantes Trevor Noah e John Oliver que imitam para o vídeo algumas das danças do videojogo. “Estou quase contente por não estar no vídeo, é muito desconectado da comunidade e dos criadores”, diz Kjellberg no final da sua crítica.

Há também os que defendem o vídeo, como refere a BBC, como o YouTuber TomSka, que afirmou no Twitter o vídeo não tinha “imposto nenhuma agenda”, apesar de este vídeo se ter focado “apenas nalguns criadores”.

Com o número de “não gostos” no vídeo a crescer, é possível que nos próximos dias se torne a publicação mais “odiada” da plataforma.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
147

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)