PCP

Jerónimo reivindica louros do aumento de pensões e reposição do subsídio de Natal

430

O secretário-geral do PCP reivindicou a responsabilidade pelo aumento das pensões bem como pela reposição do subsídio de Natal. Segundo o próprio, o PS "limitava-se a descongelar as pensões".

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, discursava na sessão pública "Sobre os Direitos dos Reformados", em Évora

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou esta sexta-feira que o aumento das pensões e reformas e a reposição do subsídio de Natal resultaram da ação dos comunistas, sustentando que o Governo não queria ir tão longe.

“Os aumentos das reformas e pensões e em muitos outros domínios foram bem mais longe do que o Governo minoritário do PS tinha inscrito no programa eleitoral e de Governo”, frisou o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa.

O PS, “quanto muito, limitava-se a descongelar as pensões, mas nada de aumentos extraordinários, nada de reposição do 14.º mês”, assinalou, concluindo que “não fora a intervenção do PCP e estes direitos teriam sido perdidos”.

Vamos assistir na campanha eleitoral para as legislativas ao PS a vangloriar-se de uma coisa que não tinha considerado no seu programa de partido nem no seu programa de Governo”, insistiu o líder comunista.

Jerónimo de Sousa discursava na sessão pública “Sobre os Direitos dos Reformados”, com a presença de reformados e pensionistas, que decorreu na sede do Grupo Cultural e Desportivo dos Bairros de Santa Maria e Fontanas, em Évora.

Depois de lembrar o caminho que levou aos cortes, o secretário-geral do PCP considerou que as reposições alcançadas “significam a derrota da tese das inevitabilidades defendidas pelo anterior Governo PSD/CDS”.

“Os avanços registados nesta legislatura em matéria de pensões e reformas devem ser devidamente valorizados, porque eles permitiram ir bem mais longe na reposição do poder de compra perdido pelos reformados e pensionistas do que o Governo minoritário do PS e o próprio BE pretendiam na atual legislatura”, disse.

Estes partidos, continuou, “apenas inscreveram o objetivo de descongelamento do mecanismo de atualização anual das reformas, cujos aumentos não permitiriam a reposição do poder de compra a todos os reformados”.

Jerónimo de Sousa frisou que o PCP “sempre deixou claro” que “não seria suficiente” o fim do descongelamento anual das reformas e que era necessário o aumento extraordinário para todas as pensões”, o que veio a acontecer em agosto de 2017 e de 2018.

“Também para 2019 se registará aumento de todas as pensões, a partir de janeiro, resultante do mecanismo de atualização anual” e, pelo terceiro ano consecutivo e pela primeira vez integralmente em janeiro, um novo aumento extraordinário, “em resultado da ação do PCP”, notou.

O líder comunista acusou a “política de direito levada a cabo por sucessivos Governo do PS, PSD e CDS” de ser responsável pelos “baixos valores das reformas e pensões”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.807

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Democracia

O custo da não-participação /premium

Vicente Ferreira da Silva

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)